Facebook Twitter Google RSS

Dificuldade de manter a calma? Você pode ter a "Síndrome de Hulk"


"Estava assistindo à final de um campeonato em um bar com os amigos e ficamos em uma espécie de mezanino e, embaixo, tinha uma menina que torcia para o time adversário. Ela olhou para cima e pensei que era provocação pra mim. Pulei de lá e fui para cima dela. Todo mundo veio apartar e a gente foi expulso do local", relembra a designer de interiores L.O., 29. Esse foi apenas um dos vários episódios de explosões de raiva e impulsividade vividos por ela até descobrir que seu "pavio curto" era, na verdade, uma condição médica: a chamada "Síndrome de Hulk".

O chamado Transtorno Explosivo Intermitente (TEI) é classificado como um transtorno de impulso, pois, normalmente, o paciente tem dificuldade para controlar sua agressividade, que costuma ser desproporcional à situação que a desencadeou.

Porém, nem todo mundo que tem acesso de fúria tem o TEI. "Essas explosões devem acontecer de duas a três vezes por semana em um período de três meses ou o paciente precisa ter tido três grandes explosões em um período de um ano para caracterizar esse transtorno. É preciso ser recorrente e não uma situação banal de estresse", afirma a coordenadora do grupo de TEI do Ambulatório dos Transtornos do Impulso, do Instituto de Psiquiatria da Faculdade de Medicina da USP, Liliana Seger.

Diferença entre transtornos

O paciente com TEI nunca consegue premeditar o ataque, diferente das pessoas com outros transtornos psiquiátricos como bipolaridade e conduta antissocial. "Quando via, já tinha feito, já estava histérica, gritando ou atacando alguém. Só conseguia parar para pensar depois no que tinha acontecido. Essa questão do descontrole era uma característica muito forte em mim", relembra L.

Depois de uma explosão de raiva intensa, a sensação mais comum que acomete esses pacientes é o sentimento de culpa, arrependimento e vergonha. "Depois que acontecia, ficava mal, deprimida e chorava muito porque, no fundo, sabia que tinha algo errado", reconhece a designer de interiores.

Segundo a psicóloga Vânia Calazans, pesquisas científicas apontam que as principais causas deste transtorno é a disfunção na produção da serotonina e a hereditariedade. "A criança aprende por modelação, portanto, quando ela vê o pai ou a mãe com um comportamento agressivo, isso desencadeia uma ansiedade maior e ela passa a desenvolver esse mesmo tipo de comportamento, já que ela cresceu nesse ambiente", explica.

L. reconhece que sua mãe tem as mesmas características que tinha antes de começar o tratamento. "Ela é muito estressada. Teve um episódio que ela jogou uma caneca de cerâmica na direção do meu pai. Até hoje tem a marca na parede de casa. Comentei sobre a possibilidade de tratamento, mas ela é de uma geração que tem um preconceito muito grande com relação à terapia", afirma.

"Essa dificuldade de gerenciar o sentimento da raiva causa muitos prejuízos na vida do paciente. Muitos só resolvem buscar tratamento depois de sofrer grandes perdas na vida profissional e amorosa. Em alguns casos, nem os familiares aguentam mais o comportamento", afirma Vânia.

SUS oferece tratamento gratuito

O tratamento para quem sofre de TEI requer uma combinação de psicoterapia com medicamentos para ansiedade e depressão. "A literatura especializada aponta que o tratamento psicoterápico traz os melhores resultados para o paciente, pois ele oferece ferramentas para que ele aprenda a gerenciar o sentimento de raiva e externalizar suas emoções", diz Vânia.

"No meu caso, a terapia foi fundamental para aprender a diagnosticar as situações de risco e evitar ter ataques de raiva. Também usei a hipnose e técnicas de respiração que me ajudaram a alcançar uma nova consciência. Não precisei de medicação, mas, no início, as consultas eram mais intensas, pelo menos duas vezes por semana. Agora, não sou mais vista pelos meus amigos como 'estraga-balada', as pessoas não me associam mais a comportamentos de raiva e nervoso", afirma L., que já faz o tratamento há um ano e meio.

As pessoas que se identificam com os sintomas do transtorno podem buscar o grupo de TEI do Ambulatório dos Transtornos do Impulso do Instituto de Psiquiatria da Faculdade de Medicina da USP, em São Paulo, que tem tratamento gratuito disponibilizado via SUS (Sistema Único de Saúde). Para participar do grupo, os pacientes precisam se inscrever e responder a um questionário online, além de passar por uma avaliação presencial e neuropsicológica, já que é preciso excluir a existência de outras doenças ou transtornos.

O tratamento é composto por 15 sessões de terapia cognitivo comportamental em grupo. "Lá, eles aprendem a lidar com a raiva de uma forma diferente e também é disponibilizada a medicação de forma gratuita. Às vezes, os pacientes mantêm a medicação mesmo após o fim do programa, pois o transtorno é como uma doença qualquer, tem que controlar sempre", explica a coordenadora Liliana Seger.

Informações do UOL Saúde


Viu algum erro na matéria? Avise pra gente por aqui ou nos comentários.

Quer receber conteúdo EXCLUSIVO? Se inscreva na nossa área vip clique aqui
Baixe nosso aplicativo móvel www.app.vc/chavalzada
Curta a página do Chavalzada no Facebook www.facebook.com/chavalzada
Siga o nosso perfil no Twitter www.twitter.com/chavalzada
Siga nosso perfil no Instagram www.instagram.com/chavalzada


Deixe sua opinião nos comentários, nós agradecemos!

Deixe seu comentário, nós agradecemos:

0 comentários :

Deixe sua opinião nos comentários, nós agradecemos! As opiniões contidas nos comentários são de responsabilidade dos autores dos mesmos.

O SENHOR é o meu pastor, nada me faltará. Salmo 23

Estamos no YouTube!

Educação

MAIS DESTA CATEGORIA

Tecnologia

MAIS DESTA CATEGORIA

Entretenimento

MAIS DESTA CATEGORIA

Emprego

MAIS DESTA CATEGORIA

Siga no Google+

Arquivo do blog

Se inscreva e receba conteúdo exclusivo

Sobre o blog

O Chavalzada foi criado em Novembro de 2010 e desde estão faz parte da vida do Chavalense, trazendo muita informação, entretenimento e cultura.
O Chavalzada é atualizado por Welligton Magalhães e Marcelo Silva.
O blog também conta com vários colunistas e colaboradores. Quer saber mais? Visite nossa fan page www.facebook.com/Chavalzada