Facebook Twitter Google RSS

Artigo | Crise econômica alcança mercado de trabalho para os jumentos - Pádua Marques

Outro dia estava eu conversando com um jumento sobre o destino sombrio dos excluídos. Há de parecer estanho e até engraçado, mas só nós, escritores e artistas temos essa facilidade e prerrogativa de nos entendermos com os animais sem que os outros, ditos homens, daqui de fora entendam o que está acontecendo e muito menos participem da conversa. É coisa reservada. É conversa tão comprida que nem a estrada daqui da Parnaíba até Piracuruca.

E fomos nos lembrando de tudo em quanto foi passagem. Umas boas e outras nem tanto. Mas posso dizer depois dessa longa conversa que o jumento anda, como se dizia antigamente, contrariado com o governo da presidente Dilma Rousseff. Não é pra menos. Depois de anos, décadas e até séculos, mudanças do regime da monarquia pra o republicano, golpes e ditaduras, tempos bons ou tempos difíceis o meu amigo jumento está na lista dos excluídos. Eu não tirei e nem tiro a razão dele não. Quando a gente fica de idade todo mundo vira as costas pra gente.

Mas voltando à longa e proveitosa conversa entre eu e o meu amigo jumento, ele me disse que anda deveras aborrecido com os homens. Onde já se viu, depois de tantos anos servindo, se dedicando, fazendo de um tudo sem reclamar, ser deixado largado no meio do tempo feito papel de embrulho que não serve mais pra coisa nenhuma? Mas tá. Dava despesa, comia e bebia muita água. Era lerdo, emburrado, inconveniente, saliente nas horas mais impróprias. Mas carregou de um tudo. 

Fez mudança de casa, carregou mulher pra casar e pra parir, menino pra batizar. Levou dindinha pra se consultar na cidade. Foi montaria de muito namorado. Foi até alcoviteiro. Carregou mandioca e lenha pra casa de farinha. Carregou padre e mulher de idade. Foi até carro funerário. Muita caminhada em busca de água. Agora isso não conta? Bastou o antigo dono colocar umas moedinhas no bolso e foi trocado por uma moto ou uma picape. No mínimo duas ancoretas no lombo. Carregava de um tudo sem dar um piu.

Em tempo de fartura carregou até o que não podia. Em tempo de seca carregou aquilo que sobrou da casa do dono. Agora tá feito negro depois da abolição, sem dono e sem serviço. Ninguém quer. Agora dá despesa. Agora é imprestável. “Olhe, seu Padinha, não queira saber o que é a ingratidão! Eu como não sou homem e muito menos de reclamar por nada, não sou de andar batendo em porta de políticos, não tenho benefício do Bolsa Família e nem do Minha Casa, Minha Vida. Só tenho o sol e a chuva que Deus dá”, disse..

Na cidade, quando ainda vou de vez em quando, sou olhado de rabo de olho e por cima do lombo. Tratado como um incômodo no meio dos carros. Menino hoje não me conhece mais. Mas servi de brinquedo pra ele. Estes dias fiquei sabendo que uns irmãos meus andaram passando um mau bocado em Parnaíba. Presos num terreno da prefeitura, sem água, sem comida e naquele terror de sol. Foi uma tal de ongue que meteu a boca no mundo. Fizeram o maior alarme em tudo quanto foi portal e blogue. No outro dia andou por lá uma vereadora do PT, que se condoeu da situação de nós, seu Padinha! Mas é essa a nossa sina nos dias de hoje.

Eu, Padinha, fiquei ouvindo toda aquela reclamação de mão no queixo. Como é que pode se chegar a uma situação dessas? Agora sem serventia o jumento é motivo de tudo que é piada de mau gosto. Jumento trabalhou muito e sem descanso. Nunca se lembra, disse, ter ouvido um muito obrigado! Só reclamação de que andava devagar e era preguiçoso! E ás vezes sendo chamado de burro! Não que tenha nada contra essa parentela, mas é muita injustiça! 

E perguntei se eles tinham algum advogado ou sindicato. E adianta? Quem é que se interessa hoje por jumento? Depois que a gente fica velho, e mais agora com essa concorrência das motos, ninguém quer nem passar perto. Não vê o senhor, seu Padinha, a situação dos refugiados da Síria, do Iraque, da Líbia na Europa? Eu só ouço falar. Aqui na Parnaíba as coisas sempre são de muita dificulidade pra quem não tem nada! Aqui na Parnaíba tem sindicato de carroceiros, mas de jumento e de burro, pelo que sei, nunca havera de ter. Dá muita confusão e desentendimento. Já imaginou uma briga durante uma assembleia? Ia ser coice e mordida pra em tudo o que é direção, seu Padinha!

Tentei confortar o amigo. Vocês eram pra ser nome de rua, avenida, com estátua em praça pública. Até nome de repartição de prefeitura. Mas não. Ninguém se lembra. Deixa é no relento, sem água e sem capim ou até mesmo uma mucheia de milho. Aquela conversa iria longe. Eu vendo que não saía desse mar de queixas do jumento fui tratando de me despedir. Desci a rua e tomei o rumo de casa. Eu, Padinha, pelo menos ainda tenho pra onde voltar...

Antonio de Pádua Marques - Jornalista e Escritor


Viu algum erro na matéria? Avise pra gente por aqui ou nos comentários.

Quer receber conteúdo EXCLUSIVO? Se inscreva na nossa área vip clique aqui
Baixe nosso aplicativo móvel www.app.vc/chavalzada
Curta a página do Chavalzada no Facebook www.facebook.com/chavalzada
Siga o nosso perfil no Twitter www.twitter.com/chavalzada
Siga nosso perfil no Instagram www.instagram.com/chavalzada


Deixe sua opinião nos comentários, nós agradecemos!

Deixe seu comentário, nós agradecemos:

0 comentários :

Deixe sua opinião nos comentários, nós agradecemos! As opiniões contidas nos comentários são de responsabilidade dos autores dos mesmos.

O SENHOR é o meu pastor, nada me faltará. Salmo 23

Estamos no YouTube!

Educação

MAIS DESTA CATEGORIA

Tecnologia

MAIS DESTA CATEGORIA

Entretenimento

MAIS DESTA CATEGORIA

Emprego

MAIS DESTA CATEGORIA

Siga no Google+

Arquivo do blog

Se inscreva e receba conteúdo exclusivo

Sobre o blog

O Chavalzada foi criado em Novembro de 2010 e desde estão faz parte da vida do Chavalense, trazendo muita informação, entretenimento e cultura.
O Chavalzada é atualizado por Welligton Magalhães e Marcelo Silva.
O blog também conta com vários colunistas e colaboradores. Quer saber mais? Visite nossa fan page www.facebook.com/Chavalzada