Facebook Twitter Google RSS

Artigo | A muralha da China tem a Parnaíba dentro - Pádua Marques

Eu ainda morava em Parnaíba quando o presidente Richard Nixon foi apertar a mão de Mao Tse Tung e conversar ao pé do ouvido com o elegante, polido e diplomático primeiro-ministro Chou En-Lai em Pequim. Isso há uns 43 anos, mas lembro perfeitamente, como se fosse hoje, que a China era pro Ocidente, feito aquele morador da nossa rua, até nosso vizinho do lado, que sai todo dia pra trabalhar, nos cumprimenta à distância. Faz o básico permitido pela civilidade, mas que a gente não sabe como é por dentro a casa e muito menos o quintal da casa dele. 

Aquele feito do presidente norte americano mexeu com todo mundo. Anos depois eu já trabalhava e estudava no Rio de Janeiro e costumava aos finais de semana andar pelo centro. Gostava de frequentar livrarias ali pelas ruas da Carioca, Gonçalves Dias e da Assembleia. Numa dessas ocasiões observei pela vitrine um livro cujo título me chamou a atenção, “Quando a China Despertar...”, do francês Alain Peyrefitte. Eu não cheguei a comprar este livro devido minhas parcas economias de estudante. 

Mas resumindo, falava sobre a expectativa do Ocidente em relação ao país mais populoso do mundo e sua economia para o futuro. Estava baseado na descrição do imperador Napoleão Bonaparte em 1816 de que a China não estava fadada à decadência. “Quando a China acordar... o mundo tremerá...”, teria dito. O certo é que passados tantos anos a profecia de Napoleão e tão bem analisada na obra de Peyrefitte está se cumprindo. A China, pelo menos até a semana passada era o país invejado e copiado por tantas outras nações, desde a Ásia, África até Cocal de Telha, Timon e Morro Cabeça do Tempo.

Pois muito bem. Essa semana eu estava lendo uns portais de Parnaíba, que coincidentemente comemorava seus 171 anos de elevação à categoria de cidade, quando me surpreendi com as declarações do economista e professor aposentado Djalma Lacerda falando sobre o espantoso crescimento de Parnaíba em relação ao cenário nacional. Segundo os dados do IBGE apontados pelo professor, em 2011, Parnaíba teve um crescimento real no seu PIB de 9,71%. No ano seguinte teve uma pequena queda, ficando nos 8,89%, mas ainda superior à média brasileira.

Ainda segundo o professor Djalma Lacerda, e nisso ele tem razão, pois ninguém pode negar, há um significativo fortalecimento dos setores do comércio e dos serviços e novas indústrias, mesmo pequenas se instalando, dois shoppings centers. Só isso já foi motivo de muita gente sair pelas ruas e calçadas da Parnaíba soltando foguete e chutando balde de lixo com o sorriso de orelha a orelha. Eu acho presunçoso e apressado esse ufanismo em já considerar este momento como mais um ciclo econômico da Parnaíba.

Sem querer colocar areia de cemitério no otimismo de muitos, acho que devemos ter cautela. O momento ainda não deve ser encarado como As Mil e Uma Noites na Parnaíba. O momento econômico brasileiro, e o de Parnaíba por extensão, devem ser avaliados sob todas as correntes. O conjunto de situações internas e externas, seja na economia e na política, merece antes uma reflexão mais aprofundada e sem essa de soltar traque e bomba de quinhentos debaixo de lata de óleo. Reconheço que este crescimento instantâneo ainda precisa ser reavaliado. 

Houve crescimento sim, mas ainda faltam no tecido econômico parnaibano alguns ingredientes importantes como indústria produzindo e o comércio tendo mercado certo e duradouro, vias de escoamento, percentual de emprego e reserva de mão de obra, capacidade de investimentos, capital e tantos outros. Não podemos contar como desenvolvimento pleno apenas pela observação apressada da quantidade de escolas e população estudantil de níveis médio e superior. Ainda falta é muito e pelo que ainda vão falar tem é légua pela frente até alcançar o fim da muralha onde a Parnaíba está dentro.

*Antonio de Pádua Marques - Escritor e Jornalista



Viu algum erro na matéria? Avise pra gente por aqui ou nos comentários.

Quer receber conteúdo EXCLUSIVO? Se inscreva na nossa área vip clique aqui
Baixe nosso aplicativo móvel www.app.vc/chavalzada
Curta a página do Chavalzada no Facebook www.facebook.com/chavalzada
Siga o nosso perfil no Twitter www.twitter.com/chavalzada
Siga nosso perfil no Instagram www.instagram.com/chavalzada


Deixe sua opinião nos comentários, nós agradecemos!

Deixe seu comentário, nós agradecemos:

0 comentários :

Deixe sua opinião nos comentários, nós agradecemos! As opiniões contidas nos comentários são de responsabilidade dos autores dos mesmos.

O SENHOR é o meu pastor, nada me faltará. Salmo 23

Estamos no YouTube!

Educação

MAIS DESTA CATEGORIA

Tecnologia

MAIS DESTA CATEGORIA

Entretenimento

MAIS DESTA CATEGORIA

Emprego

MAIS DESTA CATEGORIA

Siga no Google+

Arquivo do blog

Se inscreva e receba conteúdo exclusivo

Sobre o blog

O Chavalzada foi criado em Novembro de 2010 e desde estão faz parte da vida do Chavalense, trazendo muita informação, entretenimento e cultura.
O Chavalzada é atualizado por Welligton Magalhães e Marcelo Silva.
O blog também conta com vários colunistas e colaboradores. Quer saber mais? Visite nossa fan page www.facebook.com/Chavalzada