Facebook Twitter Google RSS

Artigo | Não planta aquilo que come e nem costura a roupa que veste - Pádua Marques

Nesses dias entre o feriado da Independência do Brasil e de muito trabalho pela organização das comemorações da Semana da Imprensa e outras tantas atividades eu resolvi fazer, como sempre faço, uma visita à despensa de minha casa. Aquela visita em que, entre não ter coisa nenhuma pra fazer naquele momento e descobrir no meio dos suprimentos alguma coisa interessante eu acabei achando mais do que estava procurando.

Na verdade essa minha visita à despensa tinha uma segunda intenção, a de descobrir naquele armário tão limpo e tão bem organizado pelas minhas irmãs, algum produto fabricado no Piauí, desses produtos que formam a chamada cesta básica de qualquer família, os conhecidos suprimentos secos, arroz, feijão, farinha de mandioca, açúcar. Me surpreendi e decepcionei com a excursão naquele armário da despensa de minha casa.

Realmente, como diria mãe Mina, o Piauí não planta aquilo que come e nem muito menos costura a roupa que veste. O arroz e a farinha de mandioca são trazidos de milhares de léguas de distância, de bem longe, mas longe mesmo, de Goiás. A farinha é a mesma coisa ou até de mais longe, do Pará e do Paraná. O feijão vem da Paraíba, do Rio Grande do Norte. A goma de mandioca, aquela mesma com a qual se faz a tapioca pra o café das três, vem da Bahia. Vez por outra a gente ainda encontra uma coisinha aqui e ali. Uma cajuína, uma peta, mas não é coisa de muita admiração.

De frutas nem se fala. Laranjas, abacaxis, jacas, atas, bacuris, abacates, tudo vem da serra da Ibiapaba, aqui no vizinho Ceará. Aqui tem dado mal o caju. Mangas até no meu tempo de menino vinham do Maranhão, aqui dessa região de após a ponte do Jandira, Canabrava, Novo Horizonte, do Magu e redondezas. E passei a procurar agora entre os produtos pra limpeza algum de fabricação aqui do Piauí. 

Nem sabão de barra ou em pó, muito menos creolina, nem vassoura de piaçava, nem saco de estopa pra limpar merda de menino, um espanador, coisa assim. Coisa nenhuma. Nada. E tem um negócio de um tal de Tabuleiros Litorâneos que até hoje é mais segredo do que o que tem embaixo das pirâmides do Egito.

Fechei a despensa e fui passear na geladeira. Coisa pior me esperava. Carne de gado vem de longe. Porque outra coisa que sempre me deixou com uma dúvida enorme e nunca ninguém, por mais que eu pergunte nunca me respondeu, de quantas cabeças se constitui nosso rebanho bovino, pra corte e pra leite? Aliás, a carne de gado que aparece nos mercados públicos e nas feiras, essa certamente vem de bem longe porque ninguém descobriu onde fica essa moita. Mas a gente imagina que seja nalgum complexo agropecuário muito importante lá pras bandas do Sabiazal. 

Calcule outros produtos mais difíceis, os ditos exóticos. Desses que a gente apenas sabe que existem pela televisão e que nem vou falar os nomes com medo de passar vergonha. E eu fiquei cá comigo me perguntando como é que um estado do Piauí desses vive em cima da terra. Não produz nada. Compra praticamente tudo que consome. E me admira que logo que cheguei a Parnaíba fui apresentado a um empresário da região da Coroa de São Remígio, em Buriti dos Lopes. Estava ele abrindo uma fábrica de farinha de mandioca. Pelo visto a coisa não andou e, como os entendidos falam, a farinha embolou o caroço. Foi pra frente não. 

E me causa estranheza mais ainda essa coisa de se importar arroz se essa mesma região de Buriti dos Lopes é grande produtora. Pelo menos é o que alguns dizem. Mas onde a gente pode encontrar esse produto tão precioso, esse arroz produzido no vale do Pirangi?

Como é que não pode ser caro tudo dentro de um supermercado nessa Parnaíba se tudo vem de fora? Até água mineral pra molhar os beiços vem de fontes daqui dessa região do Maranhão?! Tinha fábrica de sabão rajado em barra, fechou o Moraes. Tinha fábrica de óleo de cozinha, fechou o Moraes. Pelo visto esse tal de Moraes fechou foi a Parnaíba. Tinha fabrica de Guaraná Nordeste, acabou. Ficava atrás da Santa Casa. Tinha fábrica de vinagre, acabou. Tinha uma cooperativa de laticínios, chamada Delta, acabou porque tinha muita confusão entre os sócios. Alguém aí se lembra de mais alguma?

Antonio de Pádua Marques - Jornalista e Escritor


Viu algum erro na matéria? Avise pra gente por aqui ou nos comentários.

Quer receber conteúdo EXCLUSIVO? Se inscreva na nossa área vip clique aqui
Baixe nosso aplicativo móvel www.app.vc/chavalzada
Curta a página do Chavalzada no Facebook www.facebook.com/chavalzada
Siga o nosso perfil no Twitter www.twitter.com/chavalzada
Siga nosso perfil no Instagram www.instagram.com/chavalzada


Deixe sua opinião nos comentários, nós agradecemos!

Deixe seu comentário, nós agradecemos:

0 comentários :

Deixe sua opinião nos comentários, nós agradecemos! As opiniões contidas nos comentários são de responsabilidade dos autores dos mesmos.

O SENHOR é o meu pastor, nada me faltará. Salmo 23

Estamos no YouTube!

Educação

MAIS DESTA CATEGORIA

Tecnologia

MAIS DESTA CATEGORIA

Entretenimento

MAIS DESTA CATEGORIA

Emprego

MAIS DESTA CATEGORIA

Siga no Google+

Arquivo do blog

Se inscreva e receba conteúdo exclusivo

Sobre o blog

O Chavalzada foi criado em Novembro de 2010 e desde estão faz parte da vida do Chavalense, trazendo muita informação, entretenimento e cultura.
O Chavalzada é atualizado por Welligton Magalhães e Marcelo Silva.
O blog também conta com vários colunistas e colaboradores. Quer saber mais? Visite nossa fan page www.facebook.com/Chavalzada