Facebook Twitter Google RSS

Municípios cancelam festas de carnaval no Ceará


"Este ano não vai ser/Igual àquele que passou/Eu não brinquei/Você não brincou'. Com certeza, o início da letra da inesquecível marchinha 'Até Quarta-Feira' retrata bem a realidade vivenciada, neste ano, pelos municípios do Interior do Estado que enfrentam escassez de água, enormes dificuldades financeiras e decidiram cancelar o Carnaval. Menos cidades do que em 2015 vão promover a festa.

Os moradores do sertão que desejam brincar terão de colocar o pé na estrada e partir em busca da festa em cidades litorâneas. Na região Centro-Sul, cidades que promoviam grandes carnavais como Acopiara, Várzea Alegre e Catarina já anunciaram o cancelamento do evento. Os gestores alegam dificuldades financeiras e priorizaram aplicar recursos no pagamento de salários atrasados e no setor de Saúde.

Para reforçar o espírito de fim de festa, promotores de Justiça e o Tribunal de Contas dos Municípios (TCM) orientam os gestores a evitar gastos com os festejos carnavalescos. "É inconcebível promover Carnaval se os salários de servidores estão atrasados e há outras despesas mais urgentes", disse o presidente do TCM, Francisco Aguiar.

Parece que os gestores ouviram o recado do TCM. Na última sexta-feira, no Portal das Licitações, sete municípios constavam com abertura de processo de concorrência específica para o Carnaval: Aracoiaba, Aracati, Bela Cruz, Granja, Icapuí, Sobral e Ubajara. Outras cidades já anunciaram que vão realizar a festa: Fortim, Orós e Paracuru. Devem aparecer na lista nos próximos dias. Há aquelas que ainda estão por decidir: Beberibe, Ubajara (embora já tenha aberto licitação), São Benedito e Tianguá.

O prefeito de Acopiara, Dr. Vilmar Félix, já priorizou que vai investir recursos para a reabertura do Hospital Geral Suzana Gurgel do Vale e decidiu, portanto, cancelar o Carnaval.

No ano passado, a Prefeitura de Várzea Alegre driblou a crise, privatizando o espaço de evento, mas neste ano a Câmara de Vereadores não votou mensagem autorizando a concessão do espaço público. Além disso, o salário de 1500 servidores da Saúde e da Educação, referente a dezembro passado, está atrasado. Resultado: Carnaval cancelado. Funcionários em greve.

Até mesmo a subvenção que era dada para as escolas de samba Unidos do Roçado de Dentro (Esurd) e Mocidade Independente do Sanharol (MIS), no valor total de R$ 30 mil, foi cancelada pela Prefeitura de Várzea Alegre. "Vamos priorizar o recurso para o pagamento da folha de pessoal", disse o prefeito Vanderlei Freire. Na sexta-feira passada, o prefeito de Catarina, Rafael Paes de Andrade, decidiu suspender o Carnaval, a exemplo do ano passado e justificou: "Há uma crise, dificuldades, e os recursos serão destinados para compra de ambulâncias". Carnaubal também cancelou a festa. O balneário está seco e não há como atrair os foliões.

Outros gestores alegam, entretanto, que é preciso manter a folia para alegria dos brincantes e movimentação econômica da cidade. Dessa forma, o evento seria um atrativo turístico que atrai milhares de pessoas e movimenta a economia local. O prefeito de Granja, Romeu Aldigueri, disse que a festa é tradicional no Rio Coreaú, gerando emprego, renda e atraindo milhares de pessoas. "Vamos investir cerca de 600 mil reais", anunciou.

Orós vai enfrentar as dificuldades e promover a festa na margem do açude de mesmo nome, com animação do meio-dia às 22 horas. A gestão não anunciou o orçamento da festa. Em Fortim, haverá folia. A previsão é de gastos em torno de R$ 200 mil. Paracuru promete repetir sucessos anteriores, mas não informou o valor a ser gasto.

No litoral, Aracati mantém um dos maiores carnavais do litoral, com participação da iniciativa privada. Há trios elétricos e uma multidão sem fim nas ruas. No sertão, o Ministério Público em Tauá recomendou o cancelamento do Carnaval, mas a tendência é a Prefeitura seguir a vontade dos jovens e manter a realização da festa.

Orientação

O TCM orienta que não basta as prefeituras observarem a questão legal, mas é preciso levar em consideração aspectos sociais e econômicos. Afinal, há em vigor um decreto estadual de emergência e já são quatro anos seguidos de seca. "É preciso observar princípios administrativos de razoabilidade, oportunidade e viabilidade", disse a diretora de fiscalização do órgão, Telma Escóssio. Para Francisco Aguiar a crise econômica deve afetar ainda mais as Prefeituras em 2016 em decorrência de aumento de despesas e queda nas receitas. "O momento é de prevenção, cautela". O presidente da Associação dos Municípios do Estado do Ceará (Aprece), Expedito Nascimento, disse que a tendência é de cancelamento do Carnaval nos municípios que vinham mantendo a tradição.

Informações do Diário do Nordeste


Viu algum erro na matéria? Avise pra gente por aqui ou nos comentários.

Quer receber conteúdo EXCLUSIVO? Se inscreva na nossa área vip clique aqui
Baixe nosso aplicativo móvel www.app.vc/chavalzada
Curta a página do Chavalzada no Facebook www.facebook.com/chavalzada
Siga o nosso perfil no Twitter www.twitter.com/chavalzada
Siga nosso perfil no Instagram www.instagram.com/chavalzada


Deixe sua opinião nos comentários, nós agradecemos!

Deixe seu comentário, nós agradecemos:

0 comentários :

Deixe sua opinião nos comentários, nós agradecemos! As opiniões contidas nos comentários são de responsabilidade dos autores dos mesmos.

O SENHOR é o meu pastor, nada me faltará. Salmo 23

Estamos no YouTube!

Educação

MAIS DESTA CATEGORIA

Tecnologia

MAIS DESTA CATEGORIA

Entretenimento

MAIS DESTA CATEGORIA

Emprego

MAIS DESTA CATEGORIA

Siga no Google+

Arquivo do blog

Se inscreva e receba conteúdo exclusivo

Sobre o blog

O Chavalzada foi criado em Novembro de 2010 e desde estão faz parte da vida do Chavalense, trazendo muita informação, entretenimento e cultura.
O Chavalzada é atualizado por Welligton Magalhães e Marcelo Silva.
O blog também conta com vários colunistas e colaboradores. Quer saber mais? Visite nossa fan page www.facebook.com/Chavalzada