Facebook Twitter Google RSS

Filtro de Lama | Jailson Júnior

Sentei. Ajeitei o cabelo negro e curto, curti as paixões de longe, comprimi o passo e o sentimento, romantizei. Mais a frente, um acidente entre um carro e uma moto, suficiente para arrancar as pessoas do ônibus da rotina morta e acostumada e enredar assuntos para dali a pouco, com café e cadeiras na porta. Permiti-me, na curiosidade do momento, ir até a janela e ver o ocorrido, tema de assunto e risos, no humor ironicamente mórbido com que, muitas vezes, as pessoas tratam assuntos sérios, quando não se tratam dos seus. Quando não envolvem nossos lençóis e sangue, podemos conjecturar um litro de coisas e julgar sórdida e descompromissadamente, na mão. 

Permaneci sentado e me mantive no foco das metáforas de um autor qualquer, sempre portava essas distrações multicromáticas no bolso ou na mão. Todos desceram para ver. Eu fiquei, na companhia distante e desconhecida de uma moça que sentava mais na frente. Olhei para os traços no papel, alvo e filosófico. Ri. Lembrei dela. Nada mais. O vento batia quente. Tarde cansada, em vista do amor distante, amena, menos mal. 

Tudo isso talvez deva ter durado uns 40 segundos, no máximo. Eu estava sem relógio. Depois do espetáculo comum, todos voltaram. Sentaram, nada aconteceu. O assombro deu lugar à velha sensação de impotência naquela legião de desconhecidos. Foi tema de algum assunto paralelo e comparações ralas, logo se perdendo ao revolto das rodas, ficando para trás igual à metade do mundo. Continuei. Segui com eles, alheio, imerso em mim mesmo. Um deles perdeu o pé no dito acidente, o que eu soube também por acidente. Inevitável. Ou não.

Perdi uma terça de piada negra, dessas de dar asco. Talvez, um dia, eu largue em uma calçada qualquer o vício de uma crítica lavada e feroz para quase tudo. Não há culpa, direito a réplica ou quaisquer que sejam as ironias bonitas e veladas que se queira dar a isso. Há um certo encantamento pela tragédia, um sabor a mais que existe em presenciar eventos que correm por fora da cerca mecanicamente insensível do dia de calor cansado e pedado. Há uma diária e hereditária ignorância anunciada. Rendeu conversa com pão, hábito velho, frase nova e crônica apaixonada e deliciosa, de lama cotidiana..

Jailson júnior - Filtro de Lama






Viu algum erro na matéria? Avise pra gente por aqui ou nos comentários.

Se inscreva no nosso canal no YouTube!

Quer receber conteúdo EXCLUSIVO? Se inscreva na nossa área vip clique aqui
Curta nossa página no Facebook www.facebook.com/chavalzada
Siga nosso perfil no Instagram www.instagram.com/chavalzada
Baixe nosso aplicativo móvel www.app.vc/chavalzada


Deixe sua opinião nos comentários, nós agradecemos!

Deixe seu comentário, nós agradecemos:

0 comentários :

Deixe sua opinião nos comentários, nós agradecemos! As opiniões contidas nos comentários são de responsabilidade dos autores dos mesmos.

O SENHOR é o meu pastor, nada me faltará. Salmo 23

Estamos no YouTube!

Educação

MAIS DESTA CATEGORIA

Tecnologia

MAIS DESTA CATEGORIA

Entretenimento

MAIS DESTA CATEGORIA

Emprego

MAIS DESTA CATEGORIA

Siga no Google+

Arquivo do blog

Se inscreva e receba conteúdo exclusivo

Sobre o blog

O Chavalzada foi criado em Novembro de 2010 e desde estão faz parte da vida do Chavalense, trazendo muita informação, entretenimento e cultura.
O Chavalzada é atualizado por Welligton Magalhães e Marcelo Silva.
O blog também conta com vários colunistas e colaboradores. Quer saber mais? Visite nossa fan page www.facebook.com/Chavalzada