Facebook Twitter Google RSS

Literagindo | Confissão Abundante de Poucos - Elício Santos

Casamento é a seara cotidiana de morte e ressurreição. É uma vivência não baseada no que se deve esperar do outro, mas na individual busca pela infelicidade que alcance a nenhum dos interessados. Desanda sempre ao fim o matrimônio capaz de se fazer sem consentimentos, pois há uma costura de almas nesta associação que não admite privacidades soltas. A vontade própria só é bem-vinda quando acrescenta algo à estrada comum dos desejos. 

O futuro se mostra promissor nos espíritos que se obstinam ao sacrifício voluntário de amar a si em último lugar. Este propósito elevado e sombrio assemelha-se a uma matemática ilógica: dois mais dois é igual a um: o maior dividido é a diferença no conjunto dos quadrados.


A República

Política é a nobre arte de gerir os recursos de um grupo em prol do mesmo. Talvez em outros mundos, porque vejo a coroa pomposa dos governos que se levanta das caras batidas dos governados. Democracia e ditadura só se diferenciam no rumo das sucessões de poder. Ao fim, a "glória" permanece com os de "cima". E ai dos desobedientes. Vota-se (na democracia) para uma submissão declarada, enquanto na ditadura não se escolhe o opressor. Quem quiser dar os créditos aos novos ricos "em nome do povo" sinta-se à vontade. Depois não reclame da falta de tudo, pois em nossa boa politicalha as ausências só se mostram escalão abaixo. Salve-se quem não puder, até o último grão de esperança: nos próximos mandrastos. 


Deus não Joga Dados

A vida não é uma caixa de surpresas. Ela é a mais substantiva das imprevisões. Digo por mim. O desemprego súbito, a doença, uma dívida nova, a traição, insegurança, a aprovação dos sonhos ou a perda inconsolável. Nada está definido em nossa imposta jornada, afinal, quem pediu para nascer? Eu acredito, mas também carrego dúvidas. Por que uns sofrem mais? Nascem limitados e vivem como se apagados por um controle invencível! ... 

Qual a razão de tantas histórias secas e mortes sem sentido? (É a impressão que tenho). Por que há tantos sem nada e muito poucos com mais do que tudo? Às vezes eu me sinto descrente, mas não desisto da esperança. Alimento e educo a certeza que me traz paz: tudo coopera para o bem de quem ama a Deus, mesmo que as circunstâncias digam o oposto.

Existir num curso finito e inescrutável tem as suas vantagens. A principal se acha no brilho escancarado das nossas limitações, fato que dá ao mistério de todo dia um “quê” de insubstituível. Esforcemo-nos para valorizá-lo ao máximo, antes de nos tornarmos sombras nas cabeças de outros.


Textos extraídos do livro: “O Porquê das Coisas”. Autor: Elicio Santos. 

Mais sobre o autor Clique Aqui




Segunda parte da postagem


Viu algum erro na matéria? Avise pra gente por aqui ou nos comentários.

Se inscreva no nosso canal no YouTube!

Quer receber conteúdo EXCLUSIVO? Se inscreva na nossa área vip clique aqui
Curta nossa página no Facebook www.facebook.com/chavalzada
Siga nosso perfil no Instagram www.instagram.com/chavalzada
Baixe nosso aplicativo móvel www.app.vc/chavalzada


Deixe sua opinião nos comentários, nós agradecemos!

Deixe seu comentário, nós agradecemos:

0 comentários :

Deixe sua opinião nos comentários, nós agradecemos! As opiniões contidas nos comentários são de responsabilidade dos autores dos mesmos.

O SENHOR é o meu pastor, nada me faltará. Salmo 23

Estamos no YouTube!

Educação

MAIS DESTA CATEGORIA

Tecnologia

MAIS DESTA CATEGORIA

Entretenimento

MAIS DESTA CATEGORIA

Emprego

MAIS DESTA CATEGORIA

Siga no Google+

Arquivo do blog

Se inscreva e receba conteúdo exclusivo

Sobre o blog

O Chavalzada foi criado em Novembro de 2010 e desde estão faz parte da vida do Chavalense, trazendo muita informação, entretenimento e cultura.
O Chavalzada é atualizado por Welligton Magalhães e Marcelo Silva.
O blog também conta com vários colunistas e colaboradores. Quer saber mais? Visite nossa fan page www.facebook.com/Chavalzada