Facebook Twitter Google RSS

Ibuprofeno e diclofenaco elevam em mais de 30% risco de infarto, diz estudo


Remédios muito utilizados contra dores e inflamações e que podem ser comprados sem a necessidade de receita médica podem aumentar o risco de ataque cardíaco. O mais novo estudo alertando para esse efeito adverso mostra que o diclofenaco e o ibuprofeno elevam o risco de quem usa as pílulas sofrer uma parada cardíaca em 51% e 31%, respectivamente.

Os resultados corroboram outras pesquisas que há anos associam o uso de anti-inflamatórios não esteroides --conhecidos como Aines-- com maior chance de infarto. 

O aumento do risco é grave para aqueles que já têm alguma doença cardiovascular, como hipertensão. No Brasil, as bulas desses remédios já alertam para a necessidade de cuidados e acompanhamento médico para esses pacientes ao ingerirem os medicamentos (veja abaixo), além de restringirem a quantidade.

Os pesquisadores chamam a atenção para o fato de esses remédios ficarem expostos nas prateleiras e balcões das farmácias, podendo ser adquiridos sem orientação médica nenhuma. Em alguns países, as pílulas chegam a ser vendidas em supermercados e postos de gasolina.

"Permitir que esses medicamentos sejam adquiridos sem receita médica e sem qualquer conselho ou restrição envia uma mensagem ao público de que eles são seguros", afirma Gunnar Gislason, professor da Universidade de Copenhague e coautor do estudo, em uma nota da Sociedade Europeia de Cardiologia.

Em setembro do ano passado, um estudo no British Medical Journal já alertava sobre o aumento do risco de insuficiência cardíaca a que os Aines estavam associados.

Nosso estudo reforça a evidência de efeitos cardiovasculares adversos dos Aines e confirma que eles devem ser levados a sério e usados apenas após a consulta de profissional de saúde."

No caso do ibuprofeno, o limite máximo que garantiria um uso seguro é de 1.200 mg por dia, diz o estudo.

A explicação para esse efeito colateral causado pelos Aine estaria na agregação das plaquetas no sangue. Esse efeito dos remédios pode levar à formação de coágulos, além de estreitar as artérias e aumentar a retenção de líquidos e a pressão arterial.
Pesquisa feita com pessoas que sofreram infarto

Para avaliar a associação do ibuprofeno e do diclofenaco a problemas cardíacos, os pesquisadores dinamarqueses estudaram dados de pessoas que sofreram infarto na Dinamarca entre os anos de 2001 e 2010. Cerca de 29 mil casos ocorreram fora do hospital. Dentre eles, 3,3 mil vítimas tinham tomado algum anti-inflamatório não esteroide ao menos 30 dias antes da ocorrência do problema.

O estudo mostrou que o ibuprofeno, tomado por 51% dos que usaram algum tipo de Aine, elevou o risco de parada cardíaca em 31%. O mais perigoso, o diclofenaco, que elevou o risco em 51%, foi ingerido por 22% dos pacientes. 

O naproxeno seria o Aine mais seguro quando ingerido em doses de até 500 mg.
O que dizem as bulas dos remédios no Brasil

Nas bulas do ibuprofeno e diclofenaco vendidos no Brasil há o alerta de que os medicamentos devem ser administrados com cautela a pacientes com histórico de problemas cardíacos.

A bula do ibuprofeno informa que a dose mais alta, de 2.400 mg por dia (o equivalente a quatro comprimidos de 600 mg de seis em seis horas), "pode estar associada a um pequeno aumento do risco de eventos trombóticos (trombose) com infarto do miocárdio ou derrame".

De acordo com o fabricante, não há risco na ingestão de menos de 1.200 mg por dia (ou dois comprimidos de 600 mg a cada 12 horas). 

Já na bula do diclofenaco, a fabricante diz que o medicamento não é recomendado para quem tem doenças cardiovasculares, como "pressão arterial alta não controlada, insuficiência cardíaca congestiva, doença isquêmica cardíaca ou doença arterial periférica".

A bula informa que o tratamento de pessoas de risco com o remédio deve ser feito com acompanhamento médico. Os remédios estão disponíveis em gotas ou em comprimidos com dosagens que variam de 50 mg a 600 mg. 

No Brasil, não há necessidade de prescrição médica para a compra de anti-inflamatórios não esteroides.

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), que regulamenta a venda de medicamentos, foi procurada pelo UOL para se posicionar sobre o estudo, mas não respondeu até o momento da publicação desta reportagem.

Informações do UOL, link







Viu algum erro na matéria? Avise pra gente por aqui ou nos comentários.

Se inscreva no nosso canal no YouTube!

Quer receber conteúdo EXCLUSIVO? Se inscreva na nossa área vip clique aqui
Curta nossa página no Facebook www.facebook.com/chavalzada
Siga nosso perfil no Instagram www.instagram.com/chavalzada
Baixe nosso aplicativo móvel www.app.vc/chavalzada


Deixe sua opinião nos comentários, nós agradecemos!

Deixe seu comentário, nós agradecemos:

0 comentários :

Deixe sua opinião nos comentários, nós agradecemos! As opiniões contidas nos comentários são de responsabilidade dos autores dos mesmos.

O SENHOR é o meu pastor, nada me faltará. Salmo 23

Estamos no YouTube!

Educação

MAIS DESTA CATEGORIA

Tecnologia

MAIS DESTA CATEGORIA

Entretenimento

MAIS DESTA CATEGORIA

Emprego

MAIS DESTA CATEGORIA

Siga no Google+

Arquivo do blog

Se inscreva e receba conteúdo exclusivo

Sobre o blog

O Chavalzada foi criado em Novembro de 2010 e desde estão faz parte da vida do Chavalense, trazendo muita informação, entretenimento e cultura.
O Chavalzada é atualizado por Welligton Magalhães e Marcelo Silva.
O blog também conta com vários colunistas e colaboradores. Quer saber mais? Visite nossa fan page www.facebook.com/Chavalzada