Facebook Twitter Google RSS

Artigo | O Porto das Barcas, esse filho enjeitado da Parnaíba - Pádua Marques.

Estou pra ver história mais comprida e sem fim essa do complexo do Porto das Barcas, aquele amontoado de casas velhas, esfarinhando de podres ali na região do centro dito histórico, entre o bairro do Carmo e a avenida Presidente Getúlio Vargas, tido e havido como o lugar onde estava armada a rede que balançou a menina chamada Parnaíba e que não tem quem não saiba que mais dia menos dia está com os dias contados.

Agora o Governo do Estado do Piauí quer retomar pra si a administração do dito complexo depois de anos e mais anos sob a responsabilidade da Associação Comercial e Industrial de Parnaíba. Pelo que se sabe a associação já vinha há vários anos mantendo de forma precária, como diria, capengando mesmo, a administração daquele amontoado de prédios, mas segundo argumenta a diretoria da entidade, sem recursos pra promover uma restauração à altura. Tirando o exagero, sem dinheiro pra comprar uma vassoura.

Pouco ou quase nada foi feito que desse uma feição de coisa importante, segura, digna e que imprimisse aos olhos de turistas, autoridades e aos pouquíssimos comerciantes ali estabelecidos noção de coisa que preste pra ser chamado um, respeitadas as proporções, um centro cultural e de eventos. Realmente a cada dia que passa a situação no Porto das Barcas fica pior. Nesses anos todos o que houve e muito foi remendo novo em fundo de calça velha. E remendo novo em fundo de calça velha sempre corre o risco de se deixar um dia a bunda de fora.

Aquele, como diriam de boca cheia de farinha ou de cuscuz alguns parnaibanos mais metidos a importantes, complexo cultural do Porto das Barcas, nunca atendeu, no meu entendimento, às exigências de conforto, segurança e até mesmo estética a eventos de médio ou grande porte. E agora me vem a informação de que depois de ser em 2013 entregue à responsabilidade da ACIP por documento do então governador Wilson Martins, o governo de Wellington Dias quer retomar pra si a administração de toda a área. Que mal comparando é a nossa Pompeia e em alguns lugares parece mais o Coliseu.

Essa história de vai pra lá e vem pra cá me lembra aquela história de filho enjeitado. Aquele menino maluvido, duro de rédeas, rebelde até pra tomar um banho e que um dia vai pra casa da avó e semanas depois volta pra casa da mãe. Aquele menino que é criado na ponta do pé e do relho entre os outros irmãos. O chamado filho de criação. Passa um dia cá e dez lá. E quando volta de lá pra cá, volta pior do que estava cá. Lembra o personagem Banana, de meu livro A Rua das Flores, o primeiro a ser publicado graças à benevolência de alguns amigos. 

Banana, o apelido de José Domingos, irmão de Antonio Francisco, este criado pelo quitandeiro Quintanilha, depois de todas as tentativas pra ser colocado nos trilhos da vida pelo irmão Tonico, que até o colocou numa escola, acabou se perdendo com as más companhias ali pelas bandas do bairro São José e entre os motoristas e engraxates da praça da Graça. Estava livre pra se perder no mundo. Assim é o Porto das Barcas. Já aconteceu de um tudo naquela margem de rio e entre aqueles escombros. Nem é bom de recordar, pois é coisa de dar até arrepios. Deve ser praga de Mundoca, a personagem resmungona de Beira Rio Beira Vida.

Sinceramente a gente espera, mais uma vez, que tomando pra si uma responsabilidade que é sua, o Governo do Estado agora coloque gente responsável, aplique recursos e dê destinação através de um amplo e viável projeto de restauração praquele monte de prédios que estão a cada dia se deteriorando. Faz vergonha aquilo ali. Mete medo passar numa calçada daquelas. 

E se o governador Wellington Dias deseja mesmo dar sentido a seu projeto de governo em relação à Parnaíba, que entregue este projeto e a administração pra alguém compromissado com coisa bem feita. Porque se é somente pra fazer fita e se aproveitando de um momento lembre ele que Parnaíba e mais precisamente aquele complexo do Porto das Barcas faz tempo que anda coçando as costas e o pé da barriga. 

Porque se é pra retomar da Associação Comercial e Industrial de Parnaíba e depois colocar uma pedra em cima, melhor deixar do jeito que está caindo aos pedaços. Porque esse negócio de mandar menino passar dez dias na casa da vovó e um dia depois ele vem pra casa da mãe pior do que foi, melhor entregar pra, como se dizia antigamente, no tempo em que não havia esse negócio de Estatuto da Criança e do Adolescente, entregar pra o juiz. 

*Pádua Marques - jornalista e escritor.

Viu algum erro na matéria? Avise pra gente por aqui ou nos comentários.

Quer receber conteúdo EXCLUSIVO? Se inscreva na nossa área vip clique aqui
Baixe nosso aplicativo móvel www.app.vc/chavalzada
Curta a página do Chavalzada no Facebook www.facebook.com/chavalzada
Siga o nosso perfil no Twitter www.twitter.com/chavalzada
Siga nosso perfil no Instagram www.instagram.com/chavalzada


Deixe sua opinião nos comentários, nós agradecemos!

Deixe seu comentário, nós agradecemos:

0 comentários :

Deixe sua opinião nos comentários, nós agradecemos! As opiniões contidas nos comentários são de responsabilidade dos autores dos mesmos.

O SENHOR é o meu pastor, nada me faltará. Salmo 23

Estamos no YouTube!

Educação

MAIS DESTA CATEGORIA

Tecnologia

MAIS DESTA CATEGORIA

Entretenimento

MAIS DESTA CATEGORIA

Emprego

MAIS DESTA CATEGORIA

Siga no Google+

Arquivo do blog

Se inscreva e receba conteúdo exclusivo

Sobre o blog

O Chavalzada foi criado em Novembro de 2010 e desde estão faz parte da vida do Chavalense, trazendo muita informação, entretenimento e cultura.
O Chavalzada é atualizado por Welligton Magalhães e Marcelo Silva.
O blog também conta com vários colunistas e colaboradores. Quer saber mais? Visite nossa fan page www.facebook.com/Chavalzada