Facebook Twitter Google RSS

Teste confirma zika em bebê do Ceará


O Brasil já contabiliza 739 casos suspeitos de microcefalia este ano. O surto tem relação direta com o vírus zika, transmitido pelo Aedes aegypt. A confirmação foi divulgada pelo Ministério da Saúde, sábado (28), após exames realizados em uma bebê com microcefalia e outras malformações congênitas, nascida no Ceará. Segundo o órgão federal, foi identificada a presença do vírus zika em amostras de sangue e tecidos da recém-nascida, que veio a óbito. Em análise inicial, o Ministério também aponta que o risco de infecção do feto está associado aos três primeiros meses de gravidez.

A confirmação divulgada pelo Ministério da Saúde, é caracterizada pelo órgão como "uma situação inédita na pesquisa científica mundial". No Ceará, segundo a nota técnica da Secretaria Estadual da Saúde (Sesa), divulgada no dia 17 deste mês, foram contabilizados 16 pacientes nascidos com a malformação congênita, em que o perímetro cefálico (PC) é menor que o normal, habitualmente superior a 33 cm.

Segundo o Ministério da Saúde, as investigações sobre o tema terão continuidade nos próximos meses para que sejam esclarecidas, dentre outras, questões referentes à transmissão e atuação do vírus zika no organismo humano, infecção do feto e o período de maior vulnerabilidade para a gestante.



Medidas

"A rigor não há medidas para combater a situação, pois é uma malformação congênita. O que pode e deve ser feito é combater os focos do mosquito para evitar a transmissão do vírus. Mas este é um desafio complexo porque, há décadas, o País tenta combater o vetor e não consegue", explica o infectologista e professor da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Ceará (UFC), Anastácio Queiroz.

O infectologista acredita que nos próximos dias o Ministério da Saúde deverá tornar públicas algumas recomendações sobre como proceder após esta confirmação de relação direta entre o vírus zika e o surto de microcefalia. Porém, ele ressalta que, neste momento, até as definições destas recomendações são complexas e exigem diversas análises. "Não há como o Ministério recomendar algo que seja inviável para boa parte da população. É preciso investir no combate aos focos", ressalta.

Conforme o último Levantamento Rápido de Índices para Aedes aegypti (LIRAa) divulgado, na semana passada, pelo Ministério da Saúde, o Ceará tem oito municípios (Baturité, Canindé, Coreaú, Ipaumirim, Massapê, Parambu, Tauá e Viçosa do Ceará) em situação de risco de surto de dengue, chikungunya e zika. Nestas cidades, mais de 4% das residências visitadas apresentaram larvas do mosquito. Em Fortaleza, o LIRAa é considerado satisfatório, já que foram encontradas larvas do Aedes aegypt em menos de 1% das casas.

Informações do Diário do Nordeste

Viu algum erro na matéria? Avise pra gente por aqui ou nos comentários.

Quer receber conteúdo EXCLUSIVO? Se inscreva na nossa área vip clique aqui
Baixe nosso aplicativo móvel www.app.vc/chavalzada
Curta a página do Chavalzada no Facebook www.facebook.com/chavalzada
Siga o nosso perfil no Twitter www.twitter.com/chavalzada
Siga nosso perfil no Instagram www.instagram.com/chavalzada


Deixe sua opinião nos comentários, nós agradecemos!

Deixe seu comentário, nós agradecemos:

0 comentários :

Deixe sua opinião nos comentários, nós agradecemos! As opiniões contidas nos comentários são de responsabilidade dos autores dos mesmos.

O SENHOR é o meu pastor, nada me faltará. Salmo 23

Estamos no YouTube!

Educação

MAIS DESTA CATEGORIA

Tecnologia

MAIS DESTA CATEGORIA

Entretenimento

MAIS DESTA CATEGORIA

Emprego

MAIS DESTA CATEGORIA

Siga no Google+

Arquivo do blog

Se inscreva e receba conteúdo exclusivo

Sobre o blog

O Chavalzada foi criado em Novembro de 2010 e desde estão faz parte da vida do Chavalense, trazendo muita informação, entretenimento e cultura.
O Chavalzada é atualizado por Welligton Magalhães e Marcelo Silva.
O blog também conta com vários colunistas e colaboradores. Quer saber mais? Visite nossa fan page www.facebook.com/Chavalzada