Facebook Twitter Google RSS

Depressão é a doença que mais tira anos de vida saudável do brasileiro


A depressão é a doença que mais retira anos de vida saudável do brasileiro: de cada dez anos de vida saudável, ela leva um terço, pelo menos. Para falar sobre a doença e os principais tratamentos, o Bem Estar desta segunda (21) recebeu o psiquiatra Wagner Gattaz e o endocrinologista Bruno Halpern.

A indicação do antidepressivo depende do diagnóstico correto: primeiro, é preciso diferenciar tristeza de depressão. A tristeza tem relação com um fato específico, como uma perda, e sua cura é o tempo. A depressão é a perda do prazer em viver, muitas vezes sem relação com um fato triste. A pessoa perde interesse no que gostava de fazer e em aspectos básicos da vida, dormir, comer. Setenta por cento dessas pessoas manifestam algum pensamento suicida.

Outras causas de mudanças de humor
Antes de pensar na depressão, é preciso descartar outros fatores que causam humor deprimido, como falta de vitamina B12, hipotireoidismo e hipoglicemia no diabético idoso (causada por descontrole da doença). A reposição da vitamina e do hormônio e correção dos níveis de glicose têm impacto positivo.

Como agem os antidepressivos
Os antidepressivos auxiliam em todos os níveis de depressão e melhoram a reação a eventos tristes da vida, reduzem pensamentos obsessivos e permitem que a pessoa tenha maior clareza dos sentimentos e ideias. Isso porque agem sobre os neurotransmissores do cérebro, substâncias que levam informações de um neurônio para o outro. É como se o neurotransmissor fosse uma carta e o neurônio, a caixa de correio. Os remédios aumentam os níveis de neurotransmissores, ou, em uma analogia, o número de cartas com boas notícias, com bem-estar. Além da indicação para a depressão unipolar também são usados, combinados a outros remédios ou não, em outros transtornos mentais, como o transtorno bipolar, em que a pessoal oscila entre crises depressivas e de mania.

O tratamento clássico com antidepressivos dura um ano e depois a dose é diminuída até a retirada completa da droga. Muitas vezes, é preciso tomar remédios o resto da vida, assim como ocorre em outras doenças crônicas. A questão não é se livrar dos remédios, mas sim ficar livre da depressão. Dependendo da droga, pode haver ganho ou perda de peso, redução da libido e retardamento da ejaculação e do orgasmo, além de sonolência e relaxamento muscular. O importante é fazer o melhor uso do remédio. Por exemplo, um paciente com dores no corpo e insônia vai ter benefícios do remédio que tem como efeito colateral a sonolência e relaxamento. Os remédios que tiram a libido podem ser gradualmente substituídos. O ganho de peso deve ser monitorado porque pode contribuir para doenças cardíacas e diabetes.

Informações do Bem Estar


Viu algum erro na matéria? Avise pra gente por aqui ou nos comentários.

Quer receber conteúdo EXCLUSIVO? Se inscreva na nossa área vip clique aqui
Baixe nosso aplicativo móvel www.app.vc/chavalzada
Curta a página do Chavalzada no Facebook www.facebook.com/chavalzada
Siga o nosso perfil no Twitter www.twitter.com/chavalzada
Siga nosso perfil no Instagram www.instagram.com/chavalzada


Deixe sua opinião nos comentários, nós agradecemos!

Deixe seu comentário, nós agradecemos:

0 comentários :

Deixe sua opinião nos comentários, nós agradecemos! As opiniões contidas nos comentários são de responsabilidade dos autores dos mesmos.

O SENHOR é o meu pastor, nada me faltará. Salmo 23

Estamos no YouTube!

Educação

MAIS DESTA CATEGORIA

Tecnologia

MAIS DESTA CATEGORIA

Entretenimento

MAIS DESTA CATEGORIA

Emprego

MAIS DESTA CATEGORIA

Siga no Google+

Arquivo do blog

Se inscreva e receba conteúdo exclusivo

Sobre o blog

O Chavalzada foi criado em Novembro de 2010 e desde estão faz parte da vida do Chavalense, trazendo muita informação, entretenimento e cultura.
O Chavalzada é atualizado por Welligton Magalhães e Marcelo Silva.
O blog também conta com vários colunistas e colaboradores. Quer saber mais? Visite nossa fan page www.facebook.com/Chavalzada