Facebook Twitter Google RSS

Número de pessoas com Mal de Parkinson deve aumentar nos próximos anos


Conhecida principalmente pelos tremores, o Mal de Parkinson tem sido cada vez mais diagnosticado e a tendência é que continue a acontecer nos próximos anos. Segundo o Dr. Cláudio Correa, coordenador do Centro de Dor e Neurocirurgia Funcional do Hospital 9 de Julho, isso acontece devido ao aumento da população acima dos 65 anos, faixa de maior prevalência da doença, que ainda não tem cura. No entanto, os tratamentos que aumentam a qualidade de vida desses pacientes têm evoluído. "Eles são voltados para controlar os sintomas mais incapacitantes, como os tremores e a rigidez muscular", afirma o Dr. Corrêa.

O Mal de Parkinson caracteriza-se pela degeneração dos neurônios produtores de dopamina na parte profunda do encéfalo, conhecida como substância negra. As causas ainda são estudadas. O conjunto de sintomas é formado pelos movimentos involuntários, os tremores, além de lentidão, rigidez muscular, desequilíbrio, instabilidade postural, caminhada em marcha característica, depressão e alterações na fala, na deglutição e na escrita.

O procedimento que tem sido adotado para tratar os sintomas é a Neuroestimulação Profunda do Encéfalo, que consiste no implante de eletrodos na região afetada pela doença. "Esses eletrodos são colocados estrategicamente, de acordo com o quadro clínico do paciente. Eles funcionam ligados em uma bateria, o neuroestimulador, que é colocada na mesma região que um marca-passo para o coração", explica o Dr. Cláudio.

Ele destaca que esse tratamento não é tão recente, mas que a tecnologia vem evoluindo e as baterias, que antes duravam de dois a três anos, hoje tem autonomia de nove anos ou mais. "Com isso, eles voltam a fazer atividades mais básicas do dia a dia, como abotoar a camisa ou se alimentar sem a ajuda de outras pessoas", afirma.

Isso acontece porque a neuroestimulação controla os movimentos involuntários e diminui a intensidade da rigidez muscular, sendo possível, inclusive, reduzir a quantidade dos medicamentos administrados para o controle da doença. O tratamento cirúrgico é indicado para pacientes que já não respondem satisfatoriamente à medicação e ainda não estão com os movimentos muito comprometidos. É um procedimento que pode ser realizado com anestesia local e com baixo índice de complicação operatória.

Consultoria Hospital 9 de Julho

Informações do Estadão


Viu algum erro na matéria? Avise pra gente por aqui ou nos comentários.

Quer receber conteúdo EXCLUSIVO? Se inscreva na nossa área vip clique aqui
Baixe nosso aplicativo móvel www.app.vc/chavalzada
Curta a página do Chavalzada no Facebook www.facebook.com/chavalzada
Siga o nosso perfil no Twitter www.twitter.com/chavalzada
Siga nosso perfil no Instagram www.instagram.com/chavalzada


Deixe sua opinião nos comentários, nós agradecemos!

Deixe seu comentário, nós agradecemos:

0 comentários :

Deixe sua opinião nos comentários, nós agradecemos! As opiniões contidas nos comentários são de responsabilidade dos autores dos mesmos.

O SENHOR é o meu pastor, nada me faltará. Salmo 23

Estamos no YouTube!

Educação

MAIS DESTA CATEGORIA

Tecnologia

MAIS DESTA CATEGORIA

Entretenimento

MAIS DESTA CATEGORIA

Emprego

MAIS DESTA CATEGORIA

Siga no Google+

Arquivo do blog

Se inscreva e receba conteúdo exclusivo

Sobre o blog

O Chavalzada foi criado em Novembro de 2010 e desde estão faz parte da vida do Chavalense, trazendo muita informação, entretenimento e cultura.
O Chavalzada é atualizado por Welligton Magalhães e Marcelo Silva.
O blog também conta com vários colunistas e colaboradores. Quer saber mais? Visite nossa fan page www.facebook.com/Chavalzada