Facebook Twitter Google RSS

Dois dedos de poesia | Adélia Prado por Wellisson Santos.

Antes de qualquer letra posta em argumentos para tecer “ análise” do autor em que me atreverei a desvelar, ou mesmo, talvez, cometer redundância ingênua, gostaria de deixar claro que a intenção não é analisar, propriamente no sentido mais específico. Mas, sim, tentar expor a obra em minha limitada visão de estudante. Deixando claro que também, para ser honesto, não sou estudante da área. Mas sou um estudante movido pela, e unicamente, vontade de ser uma ponte que dê passagem à poesia.

Bom, acima foi meu pedido de licença para poder iniciar nosso texto. Pois bem, cá estamos e para ser mais exato não é de um autor, mas de uma autora que falarei. Ela é conhecida por: Adélia Prado. Para falar de sua voz poética ou de seu lirismo não poderia deixar de citar, para começar, da linguagem usual que ela utiliza. Ao lê-la, é notável a utilização de uma confluência entre prosa e poesia. Uso o termo confluência justamente para deixar distinta da compreesão de prosa poética, apesar de a autora utilizar os dois modos. Porém, frenquentemente mais a confluência. Abro um parêntese aqui para deixar claro que esta é a minha apreensão das impressões da autora. Reinterando, ao construir uma confluência entre prosa e poesia, Adélia, consequentemente abre mão das formas classicas, isto é, rima , métrica, ritmo. Seus versos são compostos livremente num rítmo próprio a cada um.

Outros detalhes podemos notar, os quais são: a ambientação de seu lirismo repousa sobre o cotidiano, os diminuitivos, família, religião. Podemos tornar esses termos como descritores dentro do universo de Adélia. Seus versos são construído duma maneira que me chamou a atenção ao ler seu livro “ O coração disparado” a forma de pôr alguns diminuitivos em momentos que nos dão a sensação de estarmos lendo para alguém que gostamos. Outro detalhe que deixei passar de propósito é: o erotismo. No seu primeiro livro (Bagagem), alguns poemas são construidos com requinte erótico. No entanto, um erotismo matrimonial, isto é, dentro do casamento. Quando mencionei o cotidiano, este é expresso através de imagens postas nos poemas como um reboco em parede, assim dando forma a estes. Lembraças da infância e um regionalismo também são aspectos vistos em seus versos, pois com ternura sua cidade é, frequentemente, desenhada nos poemas.

O fato de Adélia não sintetizar uma linguagem comum àqueles que se debruçam sobre a métrica, rima, candência projetada, é justamente fruto ou consequência do pano de fundo literário da autora, o modernismo. E, atualmente, pós- modernismo, ou sendo justo, contemporânea. Resiste no seu fazer poético os mesmos traços encontrado no início de sua carreira. Seu ultimo livro foi lançado em 2013 (Misirere). A capacidade de colocar o cotidiano de uma maneira não enfadonha é o que mais me admira em seus poemas. A valorização desse cotidiano, tornando uma questão existencial a ser valorizada, e, assim, projetando sentido na vida, apreendendo das lembranças e do presente um dom Divino, é realmente louvável. Considero ela muito importante aos nossos dias, uma vez que o que mais se falta é sentido, isto é, “ razão” para viver nesse caos instalado no mundo.

Por Wellisson Santos. Mais sobre o autor (AQUI)








Viu algum erro na matéria? Avise pra gente por aqui ou nos comentários.

Se inscreva no nosso canal no YouTube!

Quer receber conteúdo EXCLUSIVO? Se inscreva na nossa área vip clique aqui
Curta nossa página no Facebook www.facebook.com/chavalzada
Siga nosso perfil no Instagram www.instagram.com/chavalzada
Baixe nosso aplicativo móvel www.app.vc/chavalzada


Deixe sua opinião nos comentários, nós agradecemos!

Deixe seu comentário, nós agradecemos:

0 comentários :

Deixe sua opinião nos comentários, nós agradecemos! As opiniões contidas nos comentários são de responsabilidade dos autores dos mesmos.

O SENHOR é o meu pastor, nada me faltará. Salmo 23

Estamos no YouTube!

Educação

MAIS DESTA CATEGORIA

Tecnologia

MAIS DESTA CATEGORIA

Entretenimento

MAIS DESTA CATEGORIA

Emprego

MAIS DESTA CATEGORIA

Siga no Google+

Arquivo do blog

Se inscreva e receba conteúdo exclusivo

Sobre o blog

O Chavalzada foi criado em Novembro de 2010 e desde estão faz parte da vida do Chavalense, trazendo muita informação, entretenimento e cultura.
O Chavalzada é atualizado por Welligton Magalhães e Marcelo Silva.
O blog também conta com vários colunistas e colaboradores. Quer saber mais? Visite nossa fan page www.facebook.com/Chavalzada