Facebook Twitter Google RSS

Rock nacional some do top 100 das rádios do Brasil, Tico Santa Cruz explica o motivo


O sertanejo continua a crescer e tem 75 das 100 músicas mais tocadas no ano em rádios do Brasil em 2015, enquanto o rock nacional sumiu do ranking, segundo a Crowley. É a primeira vez desde 2000, quando a empresa começou a monitorar rádios no Brasil, que nenhuma faixa de rock brasileiro está entre as 100 mais tocadas no ano (veja lista abaixo).

"Escreve aí", de Luan Santana, foi a música mais tocada nas rádios do Brasil em 2015, segundo a empresa. O resultado segue a tendência dos últimos anos de cada vez menos diversidade e mais domínio de um só gênero: o sertanejo. Em 2014, o estilo tinha chegado à marca então inédita de 59 músicas entre as mais tocadas, e ampliou o domínio em 2015.

O rock brasileiro segue a tendência de queda nas rádios brasileiras. Em 2013, ele saiu pela primeira vez das 30 mais tocadas.Em 2014, a melhor posição tinha sido 81º. Em 2015, pela primeira vez, o gênero não aparece no top 100. A presença do rock internacional também é tímida. Há apenas duas bandas na lista, Magic e Marron 5.

O sertanejo ocupa o top 15. A faixa de outro estilo mais bem colocada é "Thinking out loud", de Ed Sheeran, em 16º. Dos não sertanejos, o nome que mais aparece é o de Anitta. Mas a música mais bem colocada da cantora é "Deixa ele sofrer", em 52º lugar.

Tico Santa Cruz, vocalista da banda Detonautas postou em seu facebook uma explicação para essa ausência.

"Quer entender o fenômeno?

Vamos lá. 

Primeiro: Os sertanejos se organizaram. Coisa que o Rock nunca fez. 
Enquanto eles se juntam, fazem shows casados, investem uns nas bandas dos outros, tocam uns as músicas dos outros, promovem festivais através de seus próprios escritórios. O Rock sempre ficou de picuinhas internas, egocentrismos, bandas que se acham melhores que as outras e não se "misturam" e NUNCA houve um movimento no mainstream que resgatasse do "underground" bandas desconhecidas para oxigenar a cena. 
Resultado? 
Não se oxigenou a linguagem. Abriu-se um abismo entre o que os jovens gostam de ouvir e o que as bandas gostam de cantar.

Segundo: Me parece que muitas bandas preferem bater no peito e ostentar a independência como bandeira e se sentem satisfeitas em tocar para guetos. O que se na prática for sincero - é louvável. Mas parece que alguns usam esse argumento para justificar a falta de capacidade de administrar e crescer para um patamar que exige muito mais do que apenas o desejo de subir no palco e fazer um show. O Rock muitas vezes se ofende quando se torna mais popular. Fulano de tal foi no programa de TV - se vendeu… mimimimim - quantas vezes não ouvi isso? 
Pois tá ai. Quem deixa o espaço aberto permite que outros ocupem.

Terceiro - Por conta da baixa popularidade do Rock é fica difícil conseguir investimentos para disputar com os milionários do Sertanejo e de estilos popularescos. Pouca gente sabe, mas muitos empresários colocam grana nestas duplas ou cantores, para depois entupir o rabo de dinheiro e desfrutar do universo de fama e glamour de seus "afilhados". Muita gente lava dinheiro também com esse tipo de investimento - mas deixa essa parte pra lá, que quero viver mais um pouco.

Quarto - Nos últimos 13 anos, as classes C, D e E foram privilegiadas com as políticas sociais e econômicas, que permitiram ascender financeiramente para um mundo onde passaram a ser consumidores vorazes. O que eles consumiam? Esse tipo de artista mais popular. Naturalmente foi injetado nessa indústria muito mais GRANA, de forma que o óbvio seria a ascensão também de artistas e representantes que falam e cantam o cotidiano e a linguagem dessas pessoas. O que não há absolutamente NADA de errado com isso. É um análise meramente sociológica. Daí vem também os movimentos de funk ostentação e outros que promoveram músicas com tais conteúdos.
Então amigos do Rock. Nós voltamos para onde tudo começou. Para casas menores, poucos festivais, muito pouco espaços nas rádios, e sem recursos, com uma linguagem que não é entendida pela massa de jovens que acham o Rock um estilo ultrapassado, seria bom que ao invés de ficar culpando os Sertanejos por suas vitórias, que olhássemos para nossos umbigos e vimos onde fracassamos.

Top 100 de rádio é importante? 
Sim, o Rádio ainda é um dos principais veículos de comunicação. 
Mas o Detonautas por exemplo, não tem nenhum música tocando nas rádios e continua fazendo shows, com uma agenda boa e trabalhando bastante, graças a INTERNET. 
Esse será o nosso mercado daqui adiante.
 
E vale lembrar - lá fora não existe nenhum ícone importante atualmente que seja celebrado como algo revolucionário ppara o Rock n' roll mainstream de forma que como somos colônia de lá, se não aparece algo relevante que atinja a massa aqui… ficamos com o que fomos capazes de semear.

O Capitalismo é assim

Força a todos."



Viu algum erro na matéria? Avise pra gente por aqui ou nos comentários.

Quer receber conteúdo EXCLUSIVO? Se inscreva na nossa área vip clique aqui
Baixe nosso aplicativo móvel www.app.vc/chavalzada
Curta a página do Chavalzada no Facebook www.facebook.com/chavalzada
Siga o nosso perfil no Twitter www.twitter.com/chavalzada
Siga nosso perfil no Instagram www.instagram.com/chavalzada


Deixe sua opinião nos comentários, nós agradecemos!

Deixe seu comentário, nós agradecemos:

0 comentários :

Deixe sua opinião nos comentários, nós agradecemos! As opiniões contidas nos comentários são de responsabilidade dos autores dos mesmos.

O SENHOR é o meu pastor, nada me faltará. Salmo 23

Estamos no YouTube!

Educação

MAIS DESTA CATEGORIA

Tecnologia

MAIS DESTA CATEGORIA

Entretenimento

MAIS DESTA CATEGORIA

Emprego

MAIS DESTA CATEGORIA

Arquivo do blog

Se inscreva e receba conteúdo exclusivo

Sobre o blog

O Chavalzada foi criado em Novembro de 2010 e desde estão faz parte da vida do Chavalense, trazendo muita informação, entretenimento e cultura.
O Chavalzada é atualizado por Welligton Magalhães e Marcelo Silva.
O blog também conta com vários colunistas e colaboradores. Quer saber mais? Visite nossa fan page www.facebook.com/Chavalzada