Facebook Twitter Google RSS

Chavalzada entrevista o escritor e editor Claucio Ciarlini.

Imensamente honrado em poder dialogar com Claucio Ciarlini. Nosso entrevistado com 14 anos começou a escrever poesias; aos 23 se formou em História. Até os 28 anos já havia lançado 3 livros e um jornal mensal de cultura que dura até os dias de hoje, onde, aos 36, foi o organizador de uma coletânea poética que contém 22 poetas revelados pelas páginas de seu impresso no decorrer de 10 anos. Ele é o professor, editor, poeta e cineasta: Claucio Ciarlini.

Confira a entrevista:


Chavalzada - Primeiramente, me fale um pouco sobre você. Quem é Claucio Ciarlini?

Claucio Ciarlini - Uma pessoa simples, com qualidades, defeitos e limitações. Que tenta mais acertar, do que errar. E que procura sempre ajudar a todos.

CH - Me fale sobre sua formação?

Claucio - Sou formado em História pela Universidade Estadual Vale do Acaraú – UVA (2004) e Especialista em História do Brasil pela FAP (2009)

CH – Quando e como você começou a escrever?

Claucio - Foi em março de 1996, aos 14 anos, escrevendo sobre amores platônicos e decepções. Na época não “existia” internet, então eu produzia encadernados contendo meus poemas e distribuía de forma gratuita aos amigos. Isso durou até 2004, quando, enfim, consegui lançar meu primeiro livro.

CH - Você sente mais emoção ao escrever qual gênero (poesia, conto, romance etc.)?

Claucio - Poesia, com certeza. Apesar de também gostar de me aventurar em outros gêneros, principalmente o conto e a crônica. 

CH - Você é editor de um dos principais jornais culturais da região, “O Piagui”. Me fale mais sobre o jornal. 

Claucio - É um veículo cultural gratuito e democrático que busca valorizar a cultura, a arte e a história, dando espaço a quem produz, independente de idade ou formação. Uma missão nada fácil, mas prazerosa.

CH – O Piagui tem uma versão digital (site) correto? 

Claucio - Sim. Havíamos feito um site que funcionou entre 2009 e 2011, porém devido a alguns problemas, teve que ser fechado. Porém agora em 2017, num contexto de comemoração dos 10 anos do impresso, reativamos essa empreitada virtual e se Deus permitir, desta vez para ficar. (http://opiaguivirtual.com.br/)

CH – Quais os pontos de distribuição do Jornal O Piagui Culturalista? 

Claucio - O jornal tem dois pontos fáceis de encontrar a cada mês, que é na Banca do Louro e no Sesc Caixeiral. Porém ele também é distribuído nas Universidades e algumas lojas e empresas.

CH – Quanto à literatura, quais são suas principais influências?

Claucio - Fernando Pessoa e Augusto dos Anjos são dois autores que gosto muito e que leio desde a infância. E alguns escritores da nova geração.

CH – Se dedica exclusivamente à literatura ou tem outra profissão (além de editor)?

Claucio - Sou professor dos ensinos fundamental, médio e superior, e gosto muito da área da educação, tanto quanto gosto de trabalhar com literatura e cultura. Nas horas vagas gosto de trabalhar também com direção, produção e edição de vídeos, por exemplo, filmes e documentários.

CH - Você escreve para vender ou para satisfazer seus desejos de autor?

Claucio - A escrita para mim sempre foi um desabafo, uma forma de expressar um sentimento, fosse ele alegre ou triste. E não para lucrar financeiramente. Porém, se eu vier a ganhar algum dinheiro através de meus escritos, ele será bem vindo! rsrs

CH - Como você organiza seu processo criativo: decide o que vai ser escrito e por onde começar e quais serão as fases?

Claucio - Já escrevi de várias formas nesses mais de 20 anos... Algumas vezes planejei escrever sobre algo, e consegui ou não; de outras vezes me veio à inspiração, assim, meio que do nada; ou depois de degustar uma canção, um filme ou livro; de ouvir alguma história ou dilema narrado por amigos, etc.

CH – Você já publicou três livros solo (Linhas Impensadas, Pedido de Autorização Para Pensar, Inevitável) e organizou a coletânea de poesia Versania... Fale um pouco sobre esses trabalhos...

Claucio - Meus três livros solo são compostos em sua maior parte de poesias que escrevi desde a adolescência e foram lançados num período de 5 anos, entre 2004 e 2009, de forma independente. Já o Versania foi um sonho que carreguei desde 2008, de iniciar uma série de livros aproveitando os escritores do jornal (O Piaguí), começando com o gênero Poesia.

CH - Quais suas metas? Algum projeto literário em andamento? E quanto ao O Piagui, como você visualiza os próximos anos desse periódico?

Claucio - A ideia é lançar de forma bianual uma nova coletânea, nos moldes de Versania, porém nas próximas tendo outros gêneros, como a crônica, o Conto e outros. Já o jornal, só o tempo dirá. Da minha vontade e dos meus parceiros e colaboradores, o Piaguí ainda irá durar muito, eternamente cultural, na busca de, a cada ano, se renovar e sempre aberto às metamorfoses.

CH- O que uma crítica literária significa para o seu trabalho?

Claucio - Depende muito da crítica. Positiva é sempre bem vinda, ajuda a melhorar nosso trabalho. A negativa entra por um ouvido e sai pelo outro.

CH - Sua literatura aborda temas nacionais, culturais, raciais, e grita pela desigualdade, ou apenas segue passivo sem se intrometer nestes assuntos?

Claucio - Gosto de escrever sobre tudo que me sensibiliza, desde atos de amor ou generosidade, até episódios de violência ou preconceito. Entendo como uma das principais missões da escrita, a de servir como protesto e de luta por um mundo melhor. Ou ao menos por dias melhores.

CH - Brasileiros leem em média 4 livros por ano. O que um escritor pensa sobre isso?

Claucio - Infelizmente é uma realidade que só poderá ser mudada através de uma politica que seja realmente preocupada com a Educação e com a valorização da arte, de uma forma geral, o que incluí, obviamente, a literatura. 

CH – Como você avalia o mercado editorial brasileiro atualmente?

Claucio - Existem bons autores, livros e editoras. Porém ainda há muita gente para ser descoberta (publicada) e que muitas vezes não o é, porém essa situação já vem melhorando, devido ao empurrão das redes sociais e plataformas literárias.

CH – Como você analisa a literatura parnaibana (historicidade e atualidade)

Claucio - A literatura parnaibana é muito rica, desde o seu principio, ainda no século XIX e principalmente no século 20. E as gerações surgidas nas últimas décadas também não deixam a desejar, temos escritores fabulosos, alguns, inclusive, colaboradores de nosso espaço O Piaguí.

CH - Considerações finais... 

Claucio - Agradeço ao Chavalzada, em nome do poeta e amigo Marcello Silva, pelo excelente trabalho realizado, pela parceria de sempre e pelo convite da entrevista. Somente com a união de quem trabalha com literatura e cultura que realmente iremos transformar nosso cenário e inspirar cada vez mais o público jovem a conhecer e participar da cena cultural de sua cidade e região. 

Muito obrigado!

Obras:

Livros publicados de Claucio Ciarlini

Capas do Jornal O Piagui Culturalista

Versania - Coletânea organizada por Claucio










Viu algum erro na matéria? Avise pra gente por aqui ou nos comentários.

Se inscreva no nosso canal no YouTube!

Quer receber conteúdo EXCLUSIVO? Se inscreva na nossa área vip clique aqui
Curta nossa página no Facebook www.facebook.com/chavalzada
Siga nosso perfil no Instagram www.instagram.com/chavalzada
Baixe nosso aplicativo móvel www.app.vc/chavalzada


Deixe sua opinião nos comentários, nós agradecemos!

Deixe seu comentário, nós agradecemos:

0 comentários :

Deixe sua opinião nos comentários, nós agradecemos! As opiniões contidas nos comentários são de responsabilidade dos autores dos mesmos.

O SENHOR é o meu pastor, nada me faltará. Salmo 23

Se inscreva no nosso canal

Educação

MAIS DESTA CATEGORIA

Tecnologia

MAIS DESTA CATEGORIA

Emprego

MAIS DESTA CATEGORIA

Arquivo do blog

Se inscreva e receba conteúdo exclusivo

Sobre o blog

O Chavalzada foi criado em Novembro de 2010 e desde estão faz parte da vida do Chavalense, trazendo muita informação, entretenimento e cultura.
O Chavalzada é atualizado por Welligton Magalhães e Marcelo Silva.
O blog também conta com vários colunistas e colaboradores. Quer saber mais? Visite nossa fan page www.facebook.com/Chavalzada