Facebook Twitter Google RSS

Sem trégua nos protestos, situação se agrava; Petrobras corta 10% no diesel.


Em uma crise sem precedentes nos últimos anos, caminhoneiros de todo o Brasil e o governo federal travam um embate que tem como causa principal o elevado custo do diesel. Desde a última segunda-feira, a categoria bloqueia estradas em praticamente todos os estados do País, inclusive do Ceará, protestando e solicitando a redução dos tributos e também a revisão da política de reajustes de preços da Petrobras. Nem mesmo a redução de 10% no diesel nas refinarias, que teria uma diminuição de R$ 0,25 por litro, e o congelamento dos preços por 15 dias anunciado pela Petrobras foram suficientes para acabar com o protesto.

As sucessivas tentativas de acordo entre a categoria e o governo – que já acenou com a retirada das Contribuições de Intervenção no Domínio Econômico (Cide) para o diesel, mas reonerando a folha de pagamento de diversos setores, e também com a redução do PIS/Cofins e fixação de alíquota máxima de ICMS – ainda não tiveram resultado, prolongando a paralisação dos profissionais, que chega hoje (24) ao seu quarto dia.

O presidente Michel Temer pediu uma “trégua aos caminhoneiros de 3 dias para encontrar solução”, mas a categoria manteve a greve, após mais uma reunião infrutífera com o governo. Segundo a Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos, o governo não apresentou nenhuma proposta à categoria na reunião de ontem (23). Já a Associação Brasileira dos Caminhoneiros disse que o governo federal prometeu que o setor de transportes de carga não será reonerado na folha de pagamento antes de 2020. 

Enquanto isso, crescem os efeitos da crise, que vão da bomba de combustível, onde o preço da gasolina quebrou a barreira dos R$ 5 no Ceará, à mesa da população, na qual os alimentos podem faltar ou encarecer.

O Ceará, assim como outros estados, enfrenta também o risco de desabastecimento de combustíveis, o que pode afetar não apenas os cidadãos comuns, mas diversas cadeias produtivas da economia. No Porto do Pecém, o maior do Estado, a movimentação de cargas já registrou redução. Os transportes rodoviário e aéreo são outros setores impactados, bem como os serviços dos Correios. Em algumas cidades do País, a frota de ônibus está sendo reduzida devido ao valor do diesel. Esse problema, contudo, ainda não afeta Fortaleza. Mas os protestos seguem crescendo. Ontem, além da paralisação dos caminhoneiros, a Capital também registrou manifestação de reboques contra o atual valor dos combustíveis.

Em meio à crise que se instalou no País, o governo continua buscando soluções para reduzir o preço dos combustíveis, mas sempre apontando como possível contrapartida a reoneração de outros setores. Enquanto isso, a economia sente os efeitos negativos, que podem se agravar nos próximos dias.







Viu algum erro na matéria? Avise pra gente por aqui ou nos comentários.

Se inscreva no nosso canal no YouTube!

Quer receber conteúdo EXCLUSIVO? Se inscreva na nossa área vip clique aqui
Curta nossa página no Facebook www.facebook.com/chavalzada
Siga nosso perfil no Instagram www.instagram.com/chavalzada
Baixe nosso aplicativo móvel www.app.vc/chavalzada


Deixe sua opinião nos comentários, nós agradecemos!

Deixe seu comentário, nós agradecemos:

0 comentários :

Deixe sua opinião nos comentários, nós agradecemos! As opiniões contidas nos comentários são de responsabilidade dos autores dos mesmos.

O SENHOR é o meu pastor, nada me faltará. Salmo 23

Se inscreva no nosso canal

Educação

MAIS DESTA CATEGORIA

Tecnologia

MAIS DESTA CATEGORIA

Emprego

MAIS DESTA CATEGORIA

Arquivo do blog

Se inscreva e receba conteúdo exclusivo

Sobre o blog

O Chavalzada foi criado em Novembro de 2010 e desde estão faz parte da vida do Chavalense, trazendo muita informação, entretenimento e cultura.
O Chavalzada é atualizado por Welligton Magalhães e Marcelo Silva.
O blog também conta com vários colunistas e colaboradores. Quer saber mais? Visite nossa fan page www.facebook.com/Chavalzada