Facebook Twitter Google RSS

Máquina de Escrever | por Jailson Júnior


Bati com os dedos no velho teclado de marfim, na tentativa de descer a dor e descarregá-la nas roldanas que movimentavam a máquina. Mais uma linha à vista. Meu velho pássaro cantou mais uma vez, pedindo chuva.

– Entre a cruz e a espada, companheiro, essa é a nossa sina – respondi como um toque de mãos entre velhos amigos veteranos de guerra. Quase um desabafo. Na verdade, acabou o sendo, um desabafo. A liberdade é mesmo questão de opinião. Eu, deveras solto, não conseguiria, mesmo a muito esforço, assobiar com aquela vida toda. Cantar bonito mesmo preso é uma arte da qual eu gostaria de ter domínio, mas aprendi que nem tudo se firma ao nosso desejo. Antes disso, o acaso trata de dar suas piruetas. Nem sempre foi assim, mas não é difícil de entender.

Construir linhas é fabricar lugarejos e amores alheios onde alguns vão se identificar. Acabei refletindo isso enquanto meu café fumegante passava pela minha insensível garganta marcada pelo calor e pela fumaça. O peito acabou, nesses anos, igual à minha garganta: áspero, suportando mais um rio de cafeína e beijos na surdina. Acusei minha torpe ignorância. Ao longe, algo barulhento anunciava alguma diversão matreira na madrugada, creio eu que um casal em uma moto.

– Alguém vai amar hoje, pelo menos – pensei eu.

As linhas nasceram no boquejar do silêncio, traduzindo as falas das minhas outras vidas e dando vida às palavras que eu acabei morrendo sem dizer. Sempre tive curiosidade de saber quem amei na vida passada, se a tive, mas cresci com medo de mexer em terreno estranho. Já me bastam esses amores de hoje que sempre me deram algum trabalho e ninguém é suficientemente grande para falar de amor com propriedade. Esse será sempre o enredo desse frágil ofício. Foi mais uma linha.

Por pura metalinguagem, a mesma cena se repete, entre o perfume da menina e o movimento. Que seria isso? A velha diretriz do escritor, quer dizer, a busca do sentido das coisas, quase nunca definidas. Nasceram como filhos saindo do ventre, as linhas. O puerpério virá depois. Já tive muitos. A velha arma sempre funciona, quer dizer, mesmo o destroço por baixo da epiderme pode ser disfarçado nos sorrisos sinceros e transladado para as palavras, quase nunca claras, quase sempre um desatino, um mistério.

Por Jailson Júnior. Mais sobre o colunista AQUI






Viu algum erro na matéria? Avise pra gente por aqui ou nos comentários.

Se inscreva no nosso canal no YouTube!

Quer receber conteúdo EXCLUSIVO? Se inscreva na nossa área vip clique aqui
Curta nossa página no Facebook www.facebook.com/chavalzada
Siga nosso perfil no Instagram www.instagram.com/chavalzada
Baixe nosso aplicativo móvel www.app.vc/chavalzada


Deixe sua opinião nos comentários, nós agradecemos!

Deixe seu comentário, nós agradecemos:

0 comentários :

Deixe sua opinião nos comentários, nós agradecemos! As opiniões contidas nos comentários são de responsabilidade dos autores dos mesmos.

O SENHOR é o meu pastor, nada me faltará. Salmo 23

Se inscreva no nosso canal

Educação

MAIS DESTA CATEGORIA

Tecnologia

MAIS DESTA CATEGORIA

Emprego

MAIS DESTA CATEGORIA

Arquivo do blog

Se inscreva e receba conteúdo exclusivo

Sobre o blog

O Chavalzada foi criado em Novembro de 2010 e desde estão faz parte da vida do Chavalense, trazendo muita informação, entretenimento e cultura.
O Chavalzada é atualizado por Welligton Magalhães e Marcelo Silva.
O blog também conta com vários colunistas e colaboradores. Quer saber mais? Visite nossa fan page www.facebook.com/Chavalzada