Facebook Twitter Google RSS

Pescadoras do Sertão cearense se reinventam diante da estiagem

Foto: Anita Dias
O filósofo alemão Friedrich Nietzsche, certa vez sugeriu não existir verdades absolutas. No Sertão cearense, essa frase sai do campo do pensamento e invade o universo dos fatos. É verdade que a quadra chuvosa deste ano foi a terceira melhor das últimas duas décadas no Ceará, conforme dados da Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme). Assim como também é verídico afirmar que milhares de sertanejos não viram cair, sobre suas cabeças, tamanha chuva.

Eles carecem de água há, pelo menos, sete anos. E diante desta míngua de algo tão precioso eles se reinventam. Aliás, reinventar-se é uma característica inerente a este povo - talvez até por imposição dos caprichos naturais, como ocorrera neste ano, com bons volumes pluviométricos em algumas regiões e cenário de quase escassez em outras.

Nos sertões de Crateús e Inhamuns, um grupo de pescadoras de 12 municípios representa essa mudança frente à estiagem que é considerada, naquela localidade, a pior dos últimos 50 anos. São 401 mulheres que aprenderam a conviver com a seca e foram além.

Conseguiram ampliar a área de atuação por meio do projeto "Pescadoras e Pescadores: Construindo o Bem Viver", realizado pela Cáritas Diocesana de Crateús, Conselho Pastoral dos Pescadores Regional Ceará e a organização italiana CISV, cofinanciado pela União Europeia e Conferenza Episcopale Italiana. O projeto assiste ainda 431 homens.

Por intermédio dessas organizações, essas mulheres adquirem novos conhecimentos para a produção de bens. Além do reforço financeiro alcançado com a venda dos produtos, elas conquistam algo cujo valor não se pode mensurar: o resgate da autoestima.

"Ainda encontramos bastantes dificuldades e preconceitos em relação à nossa profissão. Não somos respeitadas como deveríamos, mas, graças ao projeto, hoje, nós, pescadoras, somos mais unidas e estamos conquistando nossos direitos", pontua Joelma Ferreira, pescadora da cidade de Independência. Ela acrescenta que por meio das atividades em grupo, houve fortalecimento "da autoestima e do nosso autoconhecimento como pescadoras".

APRENDER E ENSINAR

Um dos modelos de atuação da empreitada, iniciada em 2017, é a troca de conhecimento entre a comunidade pesqueira. O aprendizado acontece de forma coletiva, do mesmo modo com que é disseminado. "Tudo aqui é passado para frente", garante a pescadora da cidade de Aiuaba, Jozileide de Sousa Pereira. "Queremos que muitas outras mulheres também conquistem a independência", ressalta.

Durante as atividades do projeto, elas aprendem a produzir trufas, pão caseiro, sabonete artesanal, dentre outros itens que podem ajudá-las a adotar um novo estilo de vida e enfrentar a realidade marcada pela falta de água e peixe.

"O inverno neste ano não foi bom. Foi mais um ano difícil", alerta Jozileide, referindo-se à quadra chuvosa, período entre os meses de fevereiro a maio nos quais a chuva é esperada. Com a pouca água acumulada nos açudes, o pescado naturalmente se torna limitado. É neste momento que o "Construindo o Bem Viver", mais uma vez, entra em ação. As mulheres aprendem a agregar valor ao peixe. "Hoje, preparo outros produtos derivados dele, como a linguiça de peixe, bolinhas e hambúrgueres. Também estou passando meus conhecimentos para outras mulheres, assim, elas também poderão melhorar a renda e quebrar os preconceitos que a sociedade ainda tem sobre o papel da mulher pescadora", completou Joelma.

REDESCOBERTA

O olhar crítico da pescadora sobre o contexto social é analisado positivamente pela cientista social Aldenizia Maia. Ela observa que "aprender a fazer trufas, detergentes, ou outros itens pode parecer algo pequeno, mas serve para as mulheres perceberem que, sozinhas, podem movimentar dinheiro, e no universo pesqueiro dominado por homens, o aumento do poder econômico é simbolicamente muito forte".

A pescadora do município de Novo Oriente, Maria Aparecida Ferreira Costa, relata que após ter ingressado no projeto "há mais de um ano", passou a ser vista "com outro olhar". "Não sabia qual era meu lugar ou meu papel. Na verdade, a gente não era nem observada. Hoje, é diferente, sabemos nossos direitos, nos sentimos bem por poder contribuir financeiramente em casa e, além disso, agora conseguimos fazer outras coisas que não somente pescar. Pelo menos, se a seca permanecer, a gente já não morre de fome", comemora Aparecida.







Viu algum erro na matéria? Avise pra gente por aqui ou nos comentários.

Se inscreva no nosso canal no YouTube!

Quer receber conteúdo EXCLUSIVO? Se inscreva na nossa área vip clique aqui
Curta nossa página no Facebook www.facebook.com/chavalzada
Siga nosso perfil no Instagram www.instagram.com/chavalzada
Baixe nosso aplicativo móvel www.app.vc/chavalzada


Deixe sua opinião nos comentários, nós agradecemos!

Deixe seu comentário, nós agradecemos:

0 comentários :

Deixe sua opinião nos comentários, nós agradecemos! As opiniões contidas nos comentários são de responsabilidade dos autores dos mesmos.

O SENHOR é o meu pastor, nada me faltará. Salmo 23

Se inscreva no nosso canal

Educação

MAIS DESTA CATEGORIA

Tecnologia

MAIS DESTA CATEGORIA

Emprego

MAIS DESTA CATEGORIA

Arquivo do blog

Se inscreva e receba conteúdo exclusivo

Sobre o blog

O Chavalzada foi criado em Novembro de 2010 e desde estão faz parte da vida do Chavalense, trazendo muita informação, entretenimento e cultura.
O Chavalzada é atualizado por Welligton Magalhães e Marcelo Silva.
O blog também conta com vários colunistas e colaboradores. Quer saber mais? Visite nossa fan page www.facebook.com/Chavalzada