Facebook Twitter Google RSS

Escritor amapaense "Jailson Júnior" é o nosso novo colunista !

Olá queridos leitores. Tudo bem com vocês? Vamos apresentar nosso novo colunista: Jailson Santos Sousa Júnior, natural de Santana - AP. Estudante, cronista, poeta, escritor. Se diz amante da arte, contanto que possua uma finalidade em si mesma. Sem literatura, nada seria. Atualmente reside em Parnaíba - PI

Jailson Júnior abordará temas relativos a literatura, poesia... Uma abordagem dinâmica e livre sobre o universo poético-literário. 


SER POETA...

Ser poeta é, no alto grau fortuito da expressão, um trabalho que se traduz como eternizar um instante de hora já não visto e esquecido pela grande maioria. É celebrar a liberdade e ao mesmo tempo dar destino ao que de mais lodoso e deprimente surge em certos lampejos de insônia. Se existe um grande poeta descrito na embalagem, o conteúdo dificilmente se entenderá com a facilidade de um mundo funesto e líquido, um pouco demais para poucos segundos de tentativa.

Certa vez, ao cruzar a avenida próximo a minha casa, uma moça passou por mim e lançou da cavidade de sua alma um sorriso sincero e emoldurado em duas belas covinhas ovuladas. Nunca mais a vi, mas ela e seu sorriso viraram um verso naquela madrugada regada a silêncio e café. Bastou um único vislumbre, deitei as palavras serenas no papel e a gravei com o elixir da imortalidade, talvez pensando em como ela talvez tivesse gostado de saber que virara poesia. Isso é ser poeta. Há coisas que só acontecem à nossa frente, para nós, o espetáculo, só esperando que entremos em ação, com a qualidade inexata da licença poética, sem mais.

Todo artista, ao criar sua obra, cria-a primeiro para si, depois para os outros. Para o poeta é igual, ou quase. Ao fim do derradeiro verso, as palavras, simétricas e sonoras, denotando o que tentamos dizer, fazem-se guturais, como um eco vindo da caverna indizível das inspirações. Pego um pouquinho do amor de um, do desterro do outro, da indiferença de muitos e tempero com um leve sal de espectador de janela de ônibus, na procissão diária dos que andam a esmo em desamor.

A poesia é um purificador de lama, transformando-a em "água" potável aos ouvidos. Se a confusão de sentimentos não puder ser literalmente verbalizada, por vontade própria ou por ineficiência do idioma, a poesia é a maquiagem, não um disfarce, que a esconda e a deixe falsa, mas uma forma de dar cor a uma dor inflamada e que seja capaz de encantar alguém por um pouco. O verso é uma pepita camuflada que se encontra nas minas ambulantes do dia a dia, seja no rastro do pardal, no vento que bagunça as folhas caídas no quintal ou suplantado no sorriso taciturno da menina com a flor no cabelo que atravessou a rua junto com o poeta.

Desculpe, preciso falar sobre a poesia.

Jailson Júnior





Viu algum erro na matéria? Avise pra gente por aqui ou nos comentários.

Se inscreva no nosso canal no YouTube!

Quer receber conteúdo EXCLUSIVO? Se inscreva na nossa área vip clique aqui
Curta nossa página no Facebook www.facebook.com/chavalzada
Siga nosso perfil no Instagram www.instagram.com/chavalzada
Baixe nosso aplicativo móvel www.app.vc/chavalzada


Deixe sua opinião nos comentários, nós agradecemos!

Deixe seu comentário, nós agradecemos:

0 comentários :

Deixe sua opinião nos comentários, nós agradecemos! As opiniões contidas nos comentários são de responsabilidade dos autores dos mesmos.

O SENHOR é o meu pastor, nada me faltará. Salmo 23

Estamos no YouTube!

Educação

MAIS DESTA CATEGORIA

Tecnologia

MAIS DESTA CATEGORIA

Entretenimento

MAIS DESTA CATEGORIA

Emprego

MAIS DESTA CATEGORIA

Siga no Google+

Arquivo do blog

Se inscreva e receba conteúdo exclusivo

Sobre o blog

O Chavalzada foi criado em Novembro de 2010 e desde estão faz parte da vida do Chavalense, trazendo muita informação, entretenimento e cultura.
O Chavalzada é atualizado por Welligton Magalhães e Marcelo Silva.
O blog também conta com vários colunistas e colaboradores. Quer saber mais? Visite nossa fan page www.facebook.com/Chavalzada