Facebook Twitter Google RSS

Artigo | A estranha relação entre o cão e o gato - Pádua Marques

Ainda está levantado fumaça e fedendo a palha queimada o ocorrido do final de semana dentro de uma delegacia policial de Parnaíba quando o cinegrafista Juciê Machado, da TV Costa Norte foi impedido, teve seu equipamento de trabalho apreendido e ficou detido por estar registrando uma ocorrência de grande repercussão. Eu não vou pormenorizar o crime e o que era porque isto é menos importante neste momento. 

Particularmente eu como jornalista nunca fui de andar em porta de delegacia atrás de ver como a polícia trabalha em investigações desse ou daquele crime. Eu sempre acreditei e ainda acredito que a relevância que a imprensa deve dar ao trabalho policial deve ter acima de tudo um critério de racionalidade. Acontece que o repórter sempre está em busca da novidade e da exclusividade e esquece que tem um compromisso de respeito por ele mesmo.

Sempre achei e ainda acho a relação de alguns policiais, civis ou militares, muito falsa com a imprensa. É a velha e conhecida história da amizade do cão com o gato. O primeiro usa a força e a autoridade para intimidar. O segundo usa a astúcia para retirar do primeiro tudo aquilo de que necessita. Um fica sempre devendo ao outro. Podem o cão e o gato comer a mesma ração, dormir longos e bons sonos no mesmo canto da sala e até brincarem juntos. Mas tem sempre aquela hora em que um dos dois não está para brincadeiras e os dois acabam se estranhando.

Eu me lembro de um livro que escrevi há uns cinco anos, uma fábula, A Grande Festa dos Bichos, sobre esta estranha e nem sempre fiel amizade entre eles. Alguns são interessantes pela forma como vivem e se comunicam. Outros são mais exóticos e até vaidosos quando estão de posse de um território. Essa questão da vaidade está em todas as profissões. Médicos são vaidosos. Políticos são vaidosos. Cientistas e artistas são extremamente vaidosos. Quem é que não gosta de aparecer na mídia ostentando um feito? E o repórter faz o papel do gato. Tem seus recursos para tirar o máximo de proveito desse ou daquele ocorrido. 

Esta relação delicada e nem sempre fiel entre policiais e repórteres leva certamente a um desgaste das duas partes. Puída feito corda de puxar balde. Pelo lado da polícia, o de sempre quando quer projeção corre em busca de quem detém a mídia e usando o princípio da intimidação sutil. É bonito e dá orgulho se mostrar na televisão, nos blogs e portais ostentando equipamentos e autoridade. É relevante aparecer de vez em quando em eventos abraçados com repórteres e se dizendo amigos.

Pelo lado do repórter porque se deixa ser refém da autoridade policial e daquilo que ela está fazendo. Ocorrências policiais são matérias de consumo barato e tem todo dia na banca da feira. Essa situação cria nele repórter e no seu trabalho final uma dependência, quase química em somente cobrir a atuação nos plantões de delegacias. E a gente está cansado de ver muito repórter abraçado com trincas de policiais, sejam civis ou militares, se dizendo até compadres. Com todo o respeito, cães e gatos vão ser eternamente animais diferentes.

Pádua Marques, jornalista e escritor.


Viu algum erro na matéria? Avise pra gente por aqui ou nos comentários.

Quer receber conteúdo EXCLUSIVO? Se inscreva na nossa área vip clique aqui
Baixe nosso aplicativo móvel www.app.vc/chavalzada
Curta a página do Chavalzada no Facebook www.facebook.com/chavalzada
Siga o nosso perfil no Twitter www.twitter.com/chavalzada
Siga nosso perfil no Instagram www.instagram.com/chavalzada


Deixe sua opinião nos comentários, nós agradecemos!

Deixe seu comentário, nós agradecemos:

0 comentários :

Deixe sua opinião nos comentários, nós agradecemos! As opiniões contidas nos comentários são de responsabilidade dos autores dos mesmos.

O SENHOR é o meu pastor, nada me faltará. Salmo 23

Estamos no YouTube!

Educação

MAIS DESTA CATEGORIA

Tecnologia

MAIS DESTA CATEGORIA

Entretenimento

MAIS DESTA CATEGORIA

Emprego

MAIS DESTA CATEGORIA

Arquivo do blog

Se inscreva e receba conteúdo exclusivo

Sobre o blog

O Chavalzada foi criado em Novembro de 2010 e desde estão faz parte da vida do Chavalense, trazendo muita informação, entretenimento e cultura.
O Chavalzada é atualizado por Welligton Magalhães e Marcelo Silva.
O blog também conta com vários colunistas e colaboradores. Quer saber mais? Visite nossa fan page www.facebook.com/Chavalzada