Facebook Twitter Google RSS

Parnaíba, a cidade de papel | por Pádua Marques

A gente vai ao centro de Parnaíba e nem tem tempo de esquentar a bunda no banco da praça da Graça e já vem uma mocinha com um papel lhe entregando. Dia desses, eu fiz uma excursão pra aquelas bandas, uma segunda-feira, dessas de início de mês, que é quando todo mundo está enchendo a burra, pagando carnê do Paraíba, da Macavi, daqueles empréstimos consignados. Isso sem falar nas contas de luz, de água, da farmácia e da ótica.

Porque se existe em cima da terra bicho pra gostar de dever e de pagar conta, esse bicho é pobre. Pobre parece que tem uma atração, feito relâmpago por pedra de corisco ali pras bandas da Piracuruca e do Bom Princípio, pra correr pra dentro de loja e fila de lotérica em dia que coloca um tostão no bolso. E nessa história toda fica ali na praça e adjacências recebendo de minuto a minuto papel de propaganda, que antigamente a gente chamava de reclame.

Papel de propaganda de loja de pneus, óticas, empréstimos consignados, material de construção, consultório de dentista, celular, principalmente desses que pegam até briga de Deus com o diabo, ajudam a falar mal da vida alheia, espalham fofocas da Câmara Municipal, dos secretários do Mão Santa, do Wellington Dias e das trapalhadas do Governo Federal e que fazem a alegria dos netinhos quando o vovô vai receber o dinheiro. A gente leva menos de quinze minutos pra receber essa papelada toda. Porque se todas aqueles reclames de tudo que é coisa que a gente recebe sentado no banco da praça da Graça fossem cédulas de cem contos, a gente voltava pra casa de burra estufada. Terra pra ter gente que gosta de dar papel pros outros. Mas tudo isso é porque não tem serviço, emprego, coisa pra se ocupar. Então fica essa coisa da cidade viver sem expectativa de produzir bens de consumo. E não produzindo bens de consumo não tem mercado.

Parnaíba vive de dinheiro de aposentados e dos pagamentos da prefeitura e do governo do Estado. Dia desses, meu amigo Ozéas Castelo Branco Furtado, que tem uma concessão de um canal de televisão, numa entrevista ao jornalista Bernardo Silva, disse que é muito difícil manter um negócio desse porte sem o apoio da publicidade empresarial. Ele tem razão e muita pra reclamar. A cidade está impestada de blogs e portais. Na sua maioria de péssima referência e qualidade no que publicam.

E toda essa publicidade aparentemente barata não causa impacto, acaba se perdendo porque na primeira lata de lixo vai pro cesto andar, que é o lugar certo de produto ruim. Não se anuncia. Não se procura a televisão e o rádio, que são as mídias mais duradouras e de retorno garantido. Quem faz publicidade em portais e blogs paga uma miséria. Então fica essa cidade de papel. A gente volta pra casa e vem com os bolsos cheios. Enquanto isso a economia vai acaba no chão da calçada.

Pádua Marques* - Jornalista e Escritor membro da Academia Parnaibana de Letras.






Viu algum erro na matéria? Avise pra gente por aqui ou nos comentários.

Se inscreva no nosso canal no YouTube!

Quer receber conteúdo EXCLUSIVO? Se inscreva na nossa área vip clique aqui
Curta nossa página no Facebook www.facebook.com/chavalzada
Siga nosso perfil no Instagram www.instagram.com/chavalzada
Baixe nosso aplicativo móvel www.app.vc/chavalzada


Deixe sua opinião nos comentários, nós agradecemos!

Deixe seu comentário, nós agradecemos:

0 comentários :

Deixe sua opinião nos comentários, nós agradecemos! As opiniões contidas nos comentários são de responsabilidade dos autores dos mesmos.

O SENHOR é o meu pastor, nada me faltará. Salmo 23

Se inscreva no nosso canal

Educação

MAIS DESTA CATEGORIA

Tecnologia

MAIS DESTA CATEGORIA

Emprego

MAIS DESTA CATEGORIA

Arquivo do blog

Se inscreva e receba conteúdo exclusivo

Sobre o blog

O Chavalzada foi criado em Novembro de 2010 e desde estão faz parte da vida do Chavalense, trazendo muita informação, entretenimento e cultura.
O Chavalzada é atualizado por Welligton Magalhães e Marcelo Silva.
O blog também conta com vários colunistas e colaboradores. Quer saber mais? Visite nossa fan page www.facebook.com/Chavalzada