Facebook Twitter Google RSS

Pele de tilápia é usada em reconstrução vaginal de paciente trans após mudança de sexo

Foto: Viktor Braga/ UFC
Usando o método desenvolvido pelo Núcleo de Pesquisa e Desenvolvimento de Medicamentos (NPDM) da Universidade Federal do Ceará (UFC) e na Maternidade-Escola Assis Chateaubriand (MEAC/UFC), uma equipe médica utilizou pele de tilápia para realizar cirurgia de reconstrução vaginal após procedimento de redesignação sexual de uma paciente trans de Campinas. A cirurgia ocorreu em São Paulo, nesta terça-feira (23). A UFC afirma ser caso inédito no mundo. 

A pele de tilápia já é usada no tratamento de queimaduras e na reconstrução vaginal em pacientes com síndrome de Rokitansky ecâncer de vagina. Mas a intervenção em caso de mudança de sexo é inédita. 

O professor Leonardo Bezerra, do Departamento de Saúde Materno-Infantil e da Pós-Graduação em Cirurgia da UFC, responsável pelo trabalho de pesquisa com pele de tilápia em Fortaleza há três anos, participou do procedimento cirúrgico. Ele assegura que a cirurgia ocorreu “sem complicações”. 

Procedimento

Segundo informações divulgadas pela UFC, a paciente já havia sido submetida à cirurgia de redesignação sexual (de homem para mulher). Porém, sofria com problemas funcionais, e, por isso, passou por novo procedimento. 

O processo consistiu, inicialmente, na retirada de resíduos que ficaram das intervenções anteriores e impediam que a mulher tivesse relações sexuais. 

Com a criação da neovagina, entre o reto e a bexiga, foi a vez de utilizar a pele da tilápia para recobrir toda a cavidade vaginal criada, envolta em um molde que ficará na paciente de cinco a sete dias. 

A paciente reagiu bem e deve ter alta em uma semana, informou a universidade. 

Minimamente invasivo

O uso da tilápia evita que o enxerto seja feito com pele retirada de outras partes do corpo, geralmente do intestino, para aumentar a largura e o comprimento do canal vaginal. Portanto, é um método menos invasivo. 

Para o pesquisador Leonardo Bezerra, além da mínima invasividade, outra vantagem é o baixo custo do procedimento. 

É algo extremamente inovador. Já era inovador o uso da pele de tilápia na neovagina, porém a [síndrome de Rokitansky] é uma doença rara e tem pouco impacto, pois muitas pessoas nem sabem que ela existe. O uso em câncer também é raro, porque o câncer de vagina por si só já é raro. A ideia de utilizar pele de tilápia na cirurgia de redesignação é algo inédito”, explica. 

“A perspectiva de uso da pele de tilápia já é comprovadamente mais segura, pois estudos anteriores do nosso grupo confirmaram a total ausência de infectantes e uma biocompatibilidade e ausência de rejeições fantástica”, acrescenta. 

O professor revela, ainda, que a ideia é, em breve, usar a pele de tilápia na cirurgia de redesignação propriamente dita, evitando um canal estreito e não funcional. 

Em médio prazo, o objetivo é usar a pele de tilápia como primeira prótese biológica de animais aquáticos em ginecologia. Além disso, segundo a UFC, também estão em andamento projetos de uso da pele de tilápia acelular para tratamento de incontinência urinária e prolapso genital (distúrbio provocado pela perda de sustentação de órgãos que constituem o assoalho pélvico).

Pesquisa pioneira 

Desenvolvida há cerca de três anos em laboratórios da UFC, em Fortaleza, a pesquisa revolucionou o tratamento, principalmente, para vítimas de queimaduras. O método já é utilizado em outros Estados como Paraná, Rio Grande do Sul, São Paulo, Rio de Janeiro, Goiás e Pernambuco. E também fora do país, na Colômbia, Alemanha e Estados Unidos.

Em 2017, vítimas de um incêndio criminoso provocado em uma creche em Janaúba (MG) foram tratadas com o "curativo biológico". 

O uso inovador da pele de tilápia também já foi citado em séries de TV como "The Good Doctor" e "Grey's Anatomy".






Viu algum erro na matéria? Avise pra gente por aqui ou nos comentários.

Se inscreva no nosso canal no YouTube!

Quer receber conteúdo EXCLUSIVO? Se inscreva na nossa área vip clique aqui
Curta nossa página no Facebook www.facebook.com/chavalzada
Siga nosso perfil no Instagram www.instagram.com/chavalzada
Baixe nosso aplicativo móvel www.app.vc/chavalzada


Deixe sua opinião nos comentários, nós agradecemos!

Deixe seu comentário, nós agradecemos:

0 comentários :

Deixe sua opinião nos comentários, nós agradecemos! As opiniões contidas nos comentários são de responsabilidade dos autores dos mesmos.

O SENHOR é o meu pastor, nada me faltará. Salmo 23

Se inscreva no nosso canal

Educação

MAIS DESTA CATEGORIA

Tecnologia

MAIS DESTA CATEGORIA

Emprego

MAIS DESTA CATEGORIA

Arquivo do blog

Se inscreva e receba conteúdo exclusivo

Sobre o blog

O Chavalzada foi criado em Novembro de 2010 e desde estão faz parte da vida do Chavalense, trazendo muita informação, entretenimento e cultura.
O Chavalzada é atualizado por Welligton Magalhães e Marcelo Silva.
O blog também conta com vários colunistas e colaboradores. Quer saber mais? Visite nossa fan page www.facebook.com/Chavalzada