Facebook Twitter Google RSS

Conto | Menino Jesus - por Marcello Silva

Foto: Noilton Pereira - @noiltonpereiraoficial

Enquanto estavam lá, chegou o tempo de nascer o bebê. Ela deu à luz o seu primogênito. Envolveu-o em panos e o colocou numa manjedoura, porque não havia lugar para eles na hospedaria...” (Lc, 2: 6,7)


Há três anos seguidos que Jesus esperava pela visita do Papai Noel. Aquele bom velhinho de voz rouca, roupa vermelha e barba estranha, era assim que a professora Ana Célia, do colégio, descrevia o bom velhinho.

— Tia Ana Célia falou que Papai Noel mora no gelo e só vem uma vez por ano por estas terras porque aqui é muito quente — enfatizou Jesus com os olhos brilhantes. — Ele é da cor do corrupião, passarinho cantador.

Nas outras ocasiões, Jesus dormira cedo e por isto, não viu quando o Noel passou. Mas, dessa vez seria diferente. Iria completar nove anos, e ficaria acordado a noite toda, pois sonhava cada vez mais com seu presente: uma bicicleta.

— Quero uma biscleta encarnada... E sem rodinha — dizia Jesus.

A noite chegou devagarzinho, com sua fome de loba, ingerindo a poeira crepuscular do dia interiorano. A casa de taipa, chão de barro cru, mal rebocada com portas e janelas feitas de cipó e coberta por palha de carnaúba, era a morada de uma família de nove pessoas.

Jesus, de olhos atentos nos céus, nem quis jantar. Ceia? Não. Apenas uma mistura de feijão, arroz, farinha e peixe pescado no açude defronte a casa. Nada ali lembrava o natal das histórias dos livros, que eram lidos na escola.

Na casa com lamparinas acesas pelos cômodos, não tinha chaminé. “E por onde o Papai Noel desceria? E esse teto de palha, aguentaria a carruagem cheia de presentes e as renas do bom velhinho?” Pensava Jesus.

A cada “estrela cadente” o coração de Jesus disparava. Não era. A noite foi se engessando à medida que eram apagadas as lamparinas uma a uma. O urutau ao longe cantava melancolicamente, enquanto o rasga-mortalha cortava o silêncio e a escuridão da noite com seu canto fúnebre.

O frio começou a incomodar a esperança daquela criança que acreditava no sonho de ter uma bicicleta vermelha. Jesus deitado no tucum, armado debaixo do cajueiro, tinha os olhos fixos no céu estrelado. O corpo raquítico e desnudo começava a fraquejar.

Pouco a pouco a noite vencia Jesus. O galo já havia cantado três vezes, isto significava que era madrugada e as lágrimas quentes desciam pelo rosto frio do menino que soluçava, desaguando a criança que até então, habitava ali. Chorou. Chorou copiosamente. Sem presente em seu nono aniversário.

No terreiro, Jesus adormeceu.

SILVA, Marcello. Homo Cactus. Editorial Hope, 2018.








Viu algum erro na matéria? Avise pra gente por aqui ou nos comentários.

Se inscreva no nosso canal no YouTube!

Quer receber conteúdo EXCLUSIVO? Se inscreva na nossa área vip clique aqui
Curta nossa página no Facebook www.facebook.com/chavalzada
Siga nosso perfil no Instagram www.instagram.com/chavalzada
Baixe nosso aplicativo móvel www.app.vc/chavalzada


Deixe sua opinião nos comentários, nós agradecemos!

Deixe seu comentário, nós agradecemos:

0 comentários :

Deixe sua opinião nos comentários, nós agradecemos! As opiniões contidas nos comentários são de responsabilidade dos autores dos mesmos.

O SENHOR é o meu pastor, nada me faltará. Salmo 23

Se inscreva no nosso canal

Educação

MAIS DESTA CATEGORIA

Tecnologia

MAIS DESTA CATEGORIA

Emprego

MAIS DESTA CATEGORIA

Arquivo do blog

Se inscreva e receba conteúdo exclusivo

Sobre o blog

O Chavalzada foi criado em Novembro de 2010 e desde estão faz parte da vida do Chavalense, trazendo muita informação, entretenimento e cultura.
O Chavalzada é atualizado por Welligton Magalhães e Marcelo Silva.
O blog também conta com vários colunistas e colaboradores. Quer saber mais? Visite nossa fan page www.facebook.com/Chavalzada