Facebook Twitter Google RSS

“Nossa saída é pelo mar, Amarração...” | por Pádua Marques

Demétrio, Raimundo Xexéu, Pompílio, Caveira, Saco, Chagas Ventania, Onofre, Araioses, seu Chico e tantos outros estivadores estavam naquele dia 20 de maio de 1920 no largo da igreja de Nossa Senhora da Graça e depois no porto Salgado pra ouvir o doutor José Pires de Lima Rebelo num longo discurso falar sobre a construção do porto de Amarração. Sete dias antes havia sido a vez dos ricos, bem apessoados, corta jacas de políticos se reunirem no Cine Éden pra uma conferência criticando a dependência do Piauí para o porto de Tutóia no Maranhão.

Todos aqueles estivadores saíram de casa bem cedo. Mal tomaram um gole de café que fosse, mas estavam alegres, rindo com os paus, tudo com os dentes na fresca. Nesse movimento tinha por trás Armando Madeira, o presidente da Associação Comercial de Parnaíba. Nunca se tinha visto uma festa tão bonita. As grandes casas comerciais na rua Grande, que ia dar no porto Salgado, hastearam bandeiras do Brasil, Inglaterra e da França. E a banda de Pedro Braga vinha lá da Caixeiral desfilando e tocando dobrados com os meninos, velhos, homens feitos, os bêbados e até os faltos de juízo batendo palmas.

Mulheres com crianças pequenas, mocinhas, meninos, embarcadiços e estivadores estavam naquela manhã na frente da Casa Inglesa e nas ruas próximas esperando o intendente Nestor Veras e James Clark falarem sobre a importância pra Parnaíba com o porto de Amarração. Veio gente viajando de canoa de Ilha Grande de Santa Isabel pra ajudar a formar aquela multidão. Era se olhar e se ver todo mundo limpo, de banho tomado, roupa passada e o tamanco novo grosando nas pedras em frente aos armazéns.

Domingas dos Reis veio com os cinco filhos lá dos lados do Bebedouro e se plantou de frente à Casa Inglesa tentando uma ajuda de barro e palha pra levantar sua casa que havia sido queimada. Encontrou sim foi tudo que era repartição do governo, lojas e armazéns fechados e a cidade cheia de bandeiras e banda de música do negro Pedro Braga tocando dobrados pra cima e pra baixo.

Mas Domingas dos Reis não foi de dar com a cara na porta. Se colocou a esperar o primeiro rico que descesse a escada. Mas ninguém naquela confusão deu atenção a ela. Mal satisfeita, acabou dando umas lapadas de chinelo num dos meninos, rogou praga, falou mal de seu James Clark e de seu Marc Jacob, resmungou e tudo o mais. Como ninguém lhe deu atenção, ficou por ali e acabou engrossando a multidão e pedindo de um aqui e outro ali um vintém, uma ajuda que fosse pra pelo menos colocar alguma coisa na boca daqueles meninos naquele dia.

Armando Madeira disse outra vez que Tutóia prejudicava o desenvolvimento de Parnaíba. E naquele momento estava lendo um longo documento tentando angariar apoio entre os operários de Parnaíba. Estava ao lado dos homens mais ricos e influentes como Marc Jacob, José Narciso, Delbão Rodrigues, James Clark, Francisco Correia, Josias Moraes e Merval Veras. E aquela gente, feito nuvem, estava ali naquele terror de sol, batendo palmas aqui e ali, indo e vindo, achando graça deste ou daquele pronunciamento mais engraçado ou promessa de uma vida de riquezas pra Parnaíba.

Os bêbados, rapazinhos, meninos, os avulsos, saíam no rumo do Cheira Mijo pra comprar nos botecos alguma coisa pra beber, fosse aguardente, bolos, cuscuz de milho verde e tapioca. Ricos como seu Marc Jacob e James Clark naquele dia eram de estar bebendo uísque, gim, vinho de boa procedência, licores. Os pobres estavam gastando o pouco apurado com tiquira, genebra, cachaça serrana, conhaque de alcatrão. Mascando fumo. E assim foi aquele dia de muita celebração em toda a Parnaíba. O intendente Nestor Veras veio até a beira do cais do porto Salgado falar com aquele povo suado e paciente.

Mas não veio sozinho o intendente que deixava o cargo e já logo haveria de ter um sucessor, José Narciso da Rocha Filho. Trouxe pelo braço Armando Madeira, Merval Veras, James Clark e outros de menos conhecidos, mas ricos, donos de terras, de gado, carnaubais e até de navios. Raimundo Xexéu foi um dos estivadores que apertaram a mão daqueles homens limpos, falantes, portando bengalas, bem vestidos, anéis de ouro nos dedos, perfumados de lavanda e usando lustrados sapatos ingleses.

A fala dos homens mais ricos da Parnaíba pra aquela multidão de gente pobre vinda de tudo quanto era canto deixou a muitos satisfeitos. Aquela novidade sobre a construção do porto de Amarração deixando a Tutóia morrer à míngua era significado de mais trabalho pra toda aquela gente. Parnaíba ia sair do cabresto da Tutóia! Os parnaibanos iam deixar de ser bestas, diziam. Era mais dinheiro pra Parnaíba e pra os estivadores, a gente do porto, mais trabalho pra todos.

E teve deles, daqueles pais de família, saídos de suas casas com o cantar do galo, com a melhor roupa, que acreditaram naquelas promessas ditas da sacada da Casa Inglesa pelos maiorais da Parnaíba, Armando Madeira, Nestor Veras, James Clark e Lima Rebelo e depois no meio dos caboclos no porto Salgado quando muitos daqueles homens rudes e sem instrução acabaram molhando os cantos dos olhos. Mas o porto de Tutoia estava sendo era perseguido por aquela campanha comandada por Madeira Bastos.

E tanto era que a campanha fez com que muitos barcos deixassem de atracar no porto Salgado naquele dia e nos dois seguintes com medo de agressões à tripulação, de serem incendiados e até afundados. Naquele dia ninguém trabalhou na Parnaíba. Era tudo festa, era tudo contentamento. E aquele povo todo já pela hora do almoço foi saindo no rumo das bancas de frutas do Mercado Central, tomando as quitandas na Coroa, Cheira Mijo e Tucuns esperando que o porto de Amarração chegasse logo.

(*) Pádua Marques, cadeira 24 da Academia Parnaibana de Letras é  jornalista, romancista e contista. 





Viu algum erro na matéria? Avise pra gente por aqui ou nos comentários.

Se inscreva no nosso canal no YouTube!

Quer receber conteúdo EXCLUSIVO? Se inscreva na nossa área vip clique aqui
Curta nossa página no Facebook www.facebook.com/chavalzada
Siga nosso perfil no Instagram www.instagram.com/chavalzada
Baixe nosso aplicativo móvel www.app.vc/chavalzada


Deixe sua opinião nos comentários, nós agradecemos!

Deixe seu comentário, nós agradecemos:

0 comentários :

Deixe sua opinião nos comentários, nós agradecemos! As opiniões contidas nos comentários são de responsabilidade dos autores dos mesmos.

O SENHOR é o meu pastor, nada me faltará. Salmo 23

Se inscreva no nosso canal

Educação

MAIS DESTA CATEGORIA

Tecnologia

MAIS DESTA CATEGORIA

Emprego

MAIS DESTA CATEGORIA

Arquivo do blog

Se inscreva e receba conteúdo exclusivo

Sobre o blog

O Chavalzada foi criado em Novembro de 2010 e desde estão faz parte da vida do Chavalense, trazendo muita informação, entretenimento e cultura.
O Chavalzada é atualizado por Welligton Magalhães e Marcelo Silva.
O blog também conta com vários colunistas e colaboradores. Quer saber mais? Visite nossa fan page www.facebook.com/Chavalzada